terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Hipopótamos


Não havia praias, em Palmeira a gurizada tinha como opções de divertimentos aquáticos apenas os “tanques” como chamávamos as águas represadas por açudes construídos pelas indústrias madeireiras. Nós costumávamos nadar especialmente no Tanque dos Querubins, local adequado para aprender as primeiras braçadas, circundado por densa mata atlântica cheia de mistérios. O verão nos chamava à água de forma que era quase compulsório quem habitava nas proximidades comparecer àquele tanque todas as tardes depois das aulas. Claro que existiam outros locais apropriados às brincadeiras e folguedos da gurizada, mas nosso tanque era insuperável.

Foi numa tarde meio chuvosa, na qual o tanque estava deserto quando chegamos eu e meu primo Joel para nadar. Até o momento que entramos na água nada de anormal, a temperatura tépida estava convidativa e demos umas boas braçadas por alguns minutos e depois sentamos na margem e ficamos conversando. Foi aí que a coisa aconteceu, uma manada (não sei manada é o termo correto) de hipopótamos surgiu do meio da mata, atravessou aquelas águas profundas e se dirigiu, sem sequer olhar para nós, bisonhos nadadores amedrontados, para os lados da chácara dos Bacila. Sei que pode parecer estranho, mas, de fato, os bichos não tomaram conhecimento de nossa presença. Parece que eles estavam mais preocupados em sair da floresta e deslocar-se para lugar mais aprazível onde podiam comer peras madurinhas a vontade.

Foi a primeira vez que os encontramos, mas não a última. Em outra ocasião, desta vez eu estava sozinho, entrei na mata para procurar um bom local para lançar a linha com isca de minhoca no anzol, com fito de fisgar alguns lambaris quando, ouvi antes de ver, com certeza o mesmo grupo daquela primeira vez. Os bichos estavam chafurdando num laguinho lamacento não maior que um campo de futebol de salão, contei-os eram quatorze. Se da primeira vez a surpresa nos fez ficar extáticos, desta, parei, escondi-me atrás de moita espinhosa que havia ali e fiquei espiando em silêncio. Os enormes bichos se comportavam com tranquilidade e pareciam tão a vontade que tive certeza serem nativos, isto é, não se tratava de animais exóticos nem tão pouco de criaturas em trânsito pelo local. Diante da certeza que os bichos moravam naquela mata, tomei a resolução de nada contar para outras pessoas, não mencionar nem en passant o que havia visto.

Depois que contei ao meu primo sobre o ocorrido, tomamos a decisão de protegê-los dos adultos se preciso fosse. Minha primeira providência foi procurar nas bibliotecas toda literatura possível que informasse sobre os bichos, hábitos grupais, como procriavam, o que comiam, se podiam ser perigosos ou como poderíamos protegê-los. Felizmente a biblioteca do Ginásio Estadual tinha extensa coleção sobre animais que era especialmente generosa a respeito dos hipopótamos. Confesso que agora não lembro quase nada do que aprendi naqueles livros, mas, na ocasião, uma informação contrariava o que estava acontecendo. Lembro que os livros diziam que os animais eram vegetarianos, de hábitos noturnos, gregários e territoriais, e o mais impressionante, os textos referiam que hipopótamos só existiam em estado selvagem na África. Parecia a coisa mais estúpida essa informação. Como, só na África? Estávamos vendo os bichões ali na nossa mata, saudáveis, comendo, brincando e, pelo jeito, se reproduzindo sem problemas. Agora, é bom que se esclareça para que não haja mal entendidos: Era década de cinquenta, não havia televisão, Discovery Channel então, nem pensar; éramos pobres e as informações nos vinham através de pouquíssimos livros e revistas disponíveis, então não estranhem que não sabíamos muito sobre hipopótamos. Se vocês estivessem na minha condição também não saberiam. Para nós, crianças imaginosas, não parecia estranho animais daquele porte na nossa floresta, estranho era alguém achar que eles só vivessem na África! Registre-se que salvar os hipopótamos passou a ser prioridade vital para nós, estávamos dispostos a ir até onde fosse possível para preservar a vida daqueles cavalos de rio.

Depois de sabermos que era inviável pensar em removê-los para outro lugar onde pudessem viver discretamente, resolvemos que a permanência no local era crucial para suas sobrevivências. Procuramos saber a quem pertenciam aquelas terras, para isso, tínhamos um colega de aulas, o Alex, que era contínuo no cartório de registro de imóveis e poderia nos ajudar. Acabamos descobrindo que as terras onde se situavam as matas eram de um tal Gregório, milionário que não estava nem ai para terras improdutivas, de topografia irregular, sem benfeitorias e fora do perímetro urbano da cidade. A maneira como chegamos a ele e o convencemos a conceder, ao nosso tio, “comodato” da propriedade é meio complicada e não cabe aqui. Mas, como nosso tio era solteiro, trabalhava não muito longe dali e ia ao trabalho de bicicleta, o arranjo foi bom para ele e para o proprietário, pois a proposta era que tio Beto cuidasse da mata que estava sendo invadida por caçadores e lenhadores, conforme havíamos contado ao seu Gregório, embora não fosse bem verdade. O homem até mandou construir uma casa de madeira para nosso tio morar.

O terreno enorme era retangular com três lados cercados de arame farpado bem resistente, um dos lados menores do retângulo não tinha cerca e era por onde passávamos para acessar o tanque. Como o local onde nadávamos situava-se na extremidade do terreno, não foi difícil convencer seu Gregório a fazer uma cerca um pouco recuada de forma a deixar a parte nadável fora do cercado. Assim, “nossos” hipopótamos ficaram protegidos depois que meu tio colocou avisos de “Proibido entrar. Propriedade particular” em toda extensão da cerca. Naquele tempo avisos dessa natureza eram respeitados.

Pois bem, essas providências salvaram os hipopótamos das prováveis interferências humanas que lhes seriam prejudiciais, e nós passamos a visitá-los na mata todas as semanas. Nosso tio nunca ficou sabendo por que havíamos feito aquele arranjo tão conveniente para ele. Sabia que teria que viver naquele terreno e cuidar que ninguém o invadisse, mas nunca viu ou soube da existência dos hipopótamos, nós não lhe contamos, era um segredo só nosso. Aliás, nunca ouvi falar que alguém mais tenha visto os bichões, acho que eles eram esquivos demais. O que eu soube pela minha prima Patrícia, freqüentadora tardia daquela mata, foi que anos mais tarde, por volta dos anos oitenta, quando nosso tio já havia mudado de lá e a mata estava abandonada, foram avistados bandos (?) de capivaras no local onde os hipopótamos costumavam ficar. Acho que os bichos se mudaram e as capivaras tomaram conta do lugar. Nunca se sabe. JAIR, Floripa, 06/01/11.

9 comentários:

Adri disse...

Interessante

R. R. Barcellos disse...

- Já então o sentimento ecológico dominava aqueles dois moleques. E fossem antas, capivaras ou hipopótamos, o curupira deve ter se sentido feliz com seus ajudantes humanos.
Parabéns à dupla.

Leonel disse...

Senti inveja do seu local de infância, povoado até por hipovaras e capipótamos!
Ainda bem que não resolveram fazer um churrasquinho com os tais "hipopótamos" gordinhos!
Abraços!

Joel disse...

Jair. Embora para alguns possa parecer um história meio fantasiosa, não muito crível, eu afirmo categoricamente que tudo que relatou é verdade, que os bichos estavam lá realmente, nós os vimos. E para esses descrentes que não acreditaram na história, esses incrédulos de plantão, o meu desprezo.
Grande abraço,
Joel.

Wanderson disse...

Ola Sr Jair !!

Meu Nome e Wanderson sou estudante de jornalismo e leitor compulsivo

Pachonado por Bossa nova adorei o seu blog to seguindo o gostaria muito de poder ter VC nos meus contatos como todo jornalista sonho em escrever um livro !!

E se tiver oportunidade gostaria de ler OS seus

saudações

Anônimo disse...

Sr. Wanderson.

Antes de ser tornar um escritor e como todo bom jornalista, deveria se dedicar um pouco mais a língua pátria, ou melhor, em pontos, vírguas e pontos e vírgulas (.,:.,:)

A título de exemplo, veja como uma única vírgula poderá mudar totalmente o sentido da frase. Tente e verá:

"SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA".

Anônimo disse...

Complementando...

"SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM, A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA".

"SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER, ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA".

C. Maluche disse...

Curiosidade: territorialistas, os "Hippopotamus amphibius" defendem seu espaço vorazmente. Por este motivo, a espécie é considerada uma das mais agressivas do reino animal.Com certeza que vocês já tinham levado um grande mordida na bunda rsrsrsrs, acho que o seu hipopotamo estava fantasiado de curupivaras, em Palmeira TEM...
Abraço!

Daniela disse...

Adorei a estória dos cavalos de rio!! Deve ter sido uma experiência única!!! Pena que na época não deu para tirar foto desses dentucinhos livres, não tão leves e soltos!