terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Sobre escolas


Assim que a humanidade chegou ao estágio de aglomerações sociais, sejam cidades ou aldeias expandidas, as necessidades de serviços impuseram a aparição de artesãos, escribas e prestadores de serviços, sem os quais as demandas das pessoas deixariam de ser atendidas. É racional supor que os primeiros sapateiros, roupeiros, chapeleiros, barbeiros, peleteiros e inúmeros outros artífices tenham desenvolvido suas habilidades a partir de experimentos e observações próprias. Contudo, na medida em que as necessidades materiais e intelectuais das pessoas se tornavam maiores, mais refinadas e complexas, os mais habilidosos artesãos se viam na contingência de não conseguir atender a todos, tornava-se necessário formar novos trabalhadores para satisfazer tantos consumidores. Há registro que até Leonardo da Vinci instituiu uma “escola” na qual ensinava seus discípulos nas artes e ciências que era mestre inconteste e auto didata. Mestre, esta é palavra chave. Quando um artesão, por sua habilidade e experiência, adquiria excelência no que fazia, costumava ser classificado como mestre. Era privilégio que poucos pretendentes conseguiam: Serem admitidos na oficina ou atelier de um mestre.

Escolas não surgiram ad hoc, por capricho de alguns governantes generosos ou por diletantismo de mestres entediados, escolas foram respostas às necessidades imperiosas das sociedades. A própria escrita, que fora privilégio de castas sacerdotais ou de escribas das cortes durantes séculos, passou a ser ensinada em escolas. Não se pode afirmar que escolas tenham se tornado populares tão logo passaram a existir, admite-se que foram privilégios de poucos, geralmente nobres, os quais se viam sob a tutela de mestres que os introduziam nas artes e ciências milenares. Contudo, há evidências que no Egito antigo, na Suméria, na Mesopotâmia e até entre Astecas e Incas, tenha havido locais destinados a ministrar aos jovens matérias de interesse que os tornassem conhecedores capazes, úteis à sociedade.

Não é estultice afirmar que civilização e escolas têm relações tão estreitas que é inconcebível existir uma sem a contrapartida da outra. Aliás, no mundo moderno, a qualidade do ensino e a quantidade de escolas estão relacionadas diretamente ao nível de desenvolvimento das sociedades e à qualidade de vida das populações. A humanidade só pode se afirmar civilizada com o advento de escolas. Impensável admitir algo diferente dessa ligação poderosa e formadora do que veio a ser o diferencial do homem com relação a seus parentes primatas: Um cérebro inteligente organizado. A inteligência por si só, não organizada, é apenas um potencial a ser explorado. A inteligência necessita orientar-se com método e organizar-se segundo conhecimentos já consagrados para conduzir seu dono a descobertas e lucubrações utilizáveis. As escolas, numa concepção ideal, não devem apenas ensinar, apenas colocar na cabeça dos jovens conhecimentos estáticos, deve propor aos aprendizes modos de pensar sobre as coisas, deve estimular o pensamento criativo e abstrato.

No mundo atual escolas estão disseminadas em todas as culturas e todas as nações, mesmo nos países mais pobres escolas são entendidas como fatores essenciais para manter o tecido social sadio, não há substituto que mantenha a coesão social de um povo. As trevas do desconhecimento são o que há de mais pernicioso numa sociedade, escolas são como faróis que iluminam o caminho a seguir rumo à segurança de um futuro onde as pessoas possam explorar o potencial de suas habilidades e de seus cérebros organizados. Déspotas, ditadores e mandatários autocráticos, se não forem muito obtusos, percebem que escolas tendem a permitir que seus súditos pensem, e, pensando, pode ser que eles não concordem com a opressão. Por isso, o mais das vezes, esses mandantes ilegítimos e prepotentes limitam o acesso do povo às escolas. Povo ignorante é povo controlável.

Um exemplo clássico do poder extraordinário do ensino numa sociedade se deu depois da segunda guerra, quando Alemanha e Japão emergiram quase que reduzidos à idade medieval, seus parques industriais e infra estruturas estavam totalmente destruídos. Na Alemanha o pouco que havia restado de suas indústrias fora desmontado e levado pelos russos, a título de “reparações” de guerra; no Japão os bombardeios convencionais americanos e as bombas atômicas haviam reduzido a zero suas instalações, de modo que não havia por onde começar a produção tão necessária à recuperação econômica. Contudo, tanto no Oriente como na Europa central, existiam em abundância escolas e professores, e na população que sobrevivera à guerra havia milhares de técnicos e formados em universidades capazes de alavancar o progresso, como se viu no surto de desenvolvimento que se seguiu à derrota. As escolas haviam feito a diferença. O Plano Marshall e o Plano de Recuperação Econômica instituídos pelos americanos, apenas ofereceram capital onde existiam cérebros prontos a trabalhar, o resultado foi o maior boom econômico da história e duas potências industriais que se impõe até hoje.

Ouso dizer que no Brasil nunca houve preocupação séria com o futuro, nunca se investiu pesado na construção de escolas, formação de professores e numa política educacional que valorizasse a carreira de mestres desde o ensino básico até o universitário. Construir estradas (ruins) e apostar na indústria automobilística constituiu objetivo prioritário de nossos governantes desde que o país entrou na era industrial tardia, escolas e professores não entraram seriamente na lista de temas políticos das campanhas desde o advento da República.

Com surgimento da internet e a disseminação da informática por todos os setores da sociedade, muitos administradores, políticos e educadores estão certos que a escola passou a ter uma importância secundária na educação de nossos jovens. É quase implícito admitir que os meios eletrônicos que adentram os lares substituem com vantagem as escolas. A estupidez desse raciocínio é tão piramidal que não merece nem ser comentada. JAIR, Matinhos, 31/12/11.

7 comentários:

R. R. Barcellos disse...

- Jair, a Graça está com uma matéria muito interessante nos "Botões", incluindo um trecho sobre ao papel da Internet na educação. Se lhe interessar, o link é O Encanto da Leitura.
- E no seu texto, onde se lê "escolas e professores não entraram na lista de temas políticos das campanhas desde o advento da República", eu sugiro intercalar um "seriamente" onde você achar melhor, pois esse tema tem sido explorado, sim... mas sabemos como, infelizmente.

JAIRCLOPES disse...

Barcellos,
Como sempre, observação pertinente e já inserida no texto. Vou visitar o "Encanto"

Leonel disse...

Jair, muito bem colocada a observação de que a viabilidade do Plano Marshall foi em grande parte devida ao fato de ter sido ele aplicado em países onde os fundamentos educacionais já eram sólidos e bem disseminados, capazes de sobreviver até à devastação da II Guerra.
No restante, uma magnífica dissertação, que deveria ser do conhecimento de todos os eleitores deste país!
Educação é a meta mais importante de qualquer nação!
Como já sou teu plagiador antigo, repito aqui outra frase de destaque:
"Não é estultice afirmar que civilização e escolas têm relações tão estreitas que é inconcebível existir uma sem a contrapartida da outra."
Amém!
Abraços!

J. Muraro disse...

Jair,
Você bota o dedo na ferida, lhe dou meus parabéns por essas reflexões importantes e tão bem colocadas. A blogsfera não tem um espaço tão instrutivo quanto o seu.

Alma Inquieta disse...

Olá Jair,

é muito oportuno o teu texto.

Visitei o site da editora.

Mas vejo que já tens aqui o teu novo livro!
Parabéns!
A capa está linda.

Um beijo.

Léia disse...

Caro Jair, amei suas observações com relação à educação. Escolas e professores estão se tornando bem desinteressantes para a criança e o jovem que busca movimento, experimento, que busca conhecimento. Com a Net o aluno que quer encontra muito em termos de conhecimento. Sou professora dos anos iniciais (hoje não atuo na profissão) e sei muito bem como é difícil ter a atenção do aluno naquela matéria decoreba, conteúdo nada instigante, exercícios propostos que não buscam retirar do aluno tudo que ele pode colocar para fora, todo seu potencial.

Karine disse...

Jair... Estou maravilhada com o texto que fez (digno de ir para um jornal. Com certeza publicarei em meu blog com todos os créditos desse meu amigo)... Concordo totalmente com você, no que se refere à educação e a forma como ela deveria ser encarada por todos: educação, cultura... movimentam uma nação...SÃO PRIORIDADE!
Fiquei triste em saber que não irá participar da brincadeira... Tenho certeza que muitas pessoas iriam adorar ler ou mesmo reler seus maravilhosos textos... Se mudar de ideia... a proposta está de pé...

Viu... Voltei hoje de sua linda e maravilhosa ilha... Estava em Floripa... mais especificamente na Praia Brava... Lugar MARAVILHOSO...


Abraços amigo...

Karine