domingo, 1 de agosto de 2010

Gralha Azul




Homenagem à disseminadora de florestas

A gralha azul (Cyanocorax caeruleus) é uma ave da família dos corvídeos extremamente inteligente, chega a ser mais articulada que os psitacídeos, ou seja, ela, se treinada, fala melhor que papagaio, característica que corvos do hemisfério norte também partilham. Na natureza é particularmente barulhenta, um pequeno bando de gralhas equivale a um monte de crianças fazendo algazarra, tanto é que costuma-se chamar de gralha pessoa que muito fala. Tem ampla distribuição geográfica, que ocorre principalmente nas regiões de clima temperado. De médio porte, medindo até 40 cm de comprimento da ponta do bico à ponta da cauda, possui um aspecto robusto e um bico forte. O corpo tem coloração azul metálica, a cabeça, a garganta e o peito são negros, com as penas da fronte arrepiadas. Seu olho é escuro, diferente da gralha comum que tem olhos amarelos. A coloração da plumagem é semelhante tanto na fêmea como no macho. Embora se considere que seu habitat é a floresta de araucárias do sul do Brasil, por força da variada dieta que inclui insetos, frutos, pequenos invertebrados e até lagartixas, esta ave não tem dependência restrita dessas florestas e sua área de distribuição estende-se desde o sul do Estado do Rio de Janeiro para o sul, até o Estado do Rio Grande do Sul, sendo frequente na mata atlântica da serra do mar. Tanto é assim, que as tenho visto aqui no norte da ilha de Santa Catarina em pequenos bandos, vez ou outra.

No livro de leituras da escola primária de minha infância (Grupo Escolar Jesuíno Marcondes) havia um texto que tratava da Gralha Azul. Dizia o conto que a Gralha Azul, ouvindo as machadadas que derrubavam as araucárias das matas em que vivia, tomou-se de dores pelos pinheiros e resolveu plantar seus pinhões para que nunca as árvores fossem extintas. E assim se deu.

Pois é, a verdade é que as Gralhas Azuis, as quais eram abundantes nos pinheirais de minha cidade natal, realmente plantam pinheiros. Os Pinhões, sementes sazonais do pinheiro, são o alimento predileto das gralhas durante os meses de outono. Acontece que a gralha é um pássaro previdente, intuindo que no resto do ano não haverá mais essa saborosa e energética semente, ela enterra os pinhões excedentes, de forma a tê-los disponíveis quando não forem mais encontrados depois da safra. Desses enterramentos alguns são “esquecidos” pelas gralhas e, depois de algum tempo, brotam formando nova muda de araucária. A Gralha Azul é uma disseminadora de pinheiros, sem ela as árvores teriam dificuldade em se propagar, visto que as sementes, pesadas como são, caem apenas à sombra da própria árvore, correndo risco de nunca conseguirem brotar por falta de espaço.

Tenho um amigo de infância, Antonio Passoni, que possui um pequeno sítio no Paraná, e lá pude observar em tempo real as gralhas “plantando” pinheiros. Estávamos no período da safra de pinhões, elas colhiam alguns que caíam e, ao invés de comê-los de imediato, procuravam local onde a terra estivesse macia e os enterravam, vi com meus próprios olhos depois que meu amigo me chamou a atenção para o movimento que elas estavam fazendo. No local, depois que elas se foram, cavamos com as mãos a terra recém revolvida e descobrimos pinhões com a ponta para cima, também ali já brotavam pequenas mudas, resultado de semeaduras anteriores. Foi uma revelação fantástica que ficou gravada nos meus neurônios para sempre, acabara de presenciar o ato crucial que une árvore e ave numa cumplicidade que a natureza alinhavou através de milhões de anos.

A relação araucária – gralha é o que a ciência chama de consórcio, ou seja, dois ou mais seres que se ajudam mutuamente e tiram proveito disso. Assim, a Gralha Azul depende da araucária para se alimentar e a araucária depende da Gralha Azul para proliferar. Não é de admirar que com o quase desaparecimento da planta o pássaro também tenha entrado na lista das espécies ameaçadas. Hoje quase não se vê a Gralha Azul nas matas ombrófilas (florestas de climas chuvosos) de minha terra, o que é de se lamentar.

Pinheiros são lindas espécies de coníferas, família das árvores mais antigas do Planeta, que correm risco de extinguir-se por incúria humana: desmatamento para uso da madeira; desmatamento para dar lugar a plantações de pinus elliotiti, conífera oriunda da Ásia usada principalmente na fabricação de papel; desmatamento para plantação de soja exportada para confecção de ração animal na Europa e EUA; desmatamento para composição de pastagens para o gado. Gralhas Azuis são aves que habitam o Planeta há 50 milhões de anos, que se adaptaram às florestas ombrófilas, estabelecendo consórcio com as araucárias, e, desse modo, perpetuando as produtoras de seu alimento predileto. Homo sapiens é um primata que evoluiu há uns duzentos mil anos e que ocupa o mesmo habitat das araucárias e gralhas há uns doze mil anos, talvez. A associação gralha – araucária estava em perfeito equilíbrio até que surgisse no horizonte a figura do Homo sapiens, depois disso o mundo veio a baixo, ou seja, gralhas e araucárias correm o risco de desaparecerem para sempre. Há alguma coisa essencialmente errada nessa equação.

Trecho de um conto sobre a Gralha Azul que encontrei no saite: http://www.terrabrasileira.net/folclore/regioes/3contos/gralha.html

Pesadelo: “Revi-me de arma em punho, pronto para fazer fogo. Quando o fiz, iluminou-se o alvo e, aberta as asas brilhantes, o peito a sangrar, veio ele de manso, se achegando a mim. Os pés franzinos evitavam os sapés esparsos pelo chão e o andar esbelto tinha qualquer coisa de divino. Dardejante o seu olhar, estremeci ante aquela figura de ave e deixei cair a arma. Estático já, estarreci ao ouvir os sonoros e compreensíveis sons que aquele delicado bico soltava naturalmente. Dizia a gralha: “És um assassino! Tuas leis não te proíbem matar um homem? E quem faz mais do que um homem não vale pelo menos tanto quanto ele? Eu, como humilde avezinha, entoando a minha tagarelice selvagem como o marinheiro entoa o seu canto de animação na véspera de praticar seus feitos, faço elevar-se toda essa floresta de pinheiros; bordo a beira das matas com o verdor dessas viçosas árvores de ereção perfeita; multiplico, à medida de minhas forças, o madeiro providencial que te serve de teto, que te dá o verde das invernadas, que te engorda o porco, que te locomove dando o nó de pinho para substituir o carvão-de-pedra nas vias férreas. E ignoras como eu opero!... Vem. Acompanha-me ao local onde me interrompeste o trabalho, para aprenderes o meu doce mister. Vês? Ali está a cova que eu fazia e, além, o pinhão já sem cabeça, que eu devia nela depositar com a extremidade mais fina para cima. Tiro-lhe a cabeça porque ela apodrece ao contato da terra e arrasta à podridão o fruto todo, e planto-o de bico para cima a fim de favorecer o broto. Vai. Não sejas mais assassino. Esforça-te, antes, por compartilhar comigo nesta suave labuta.” A gralha desapareceu e eu voltei à razão. Levantei-me a custo e fui ter ao local escavado pelas aves, uma das quais jazia com o peito manchado de sangue, ao lado de um pinhão já sem cabeça. Admirado, verifiquei a certeza da visão: mais adiante cavouquei com as mãos a terra revolvida de fresco e descobri um pinhão com a ponta para cima e sem cabeça. O José Fernandes fez uma pausa e depois concluiu, mal encobrindo a sua alegria: - Aí está, caro Fidêncio, como vim a ser um plantador de pinheiros. Quero valer mais que um homem: quero valer uma gralha azul!”

JAIR, Floripa, 01/08/10.

11 comentários:

serpai disse...

Hola Jair,

me encantó tu texto y yo también quiero ser más que un hombre... quiero ser una gralha azul...1

En mi blog tiene un homenaje a Brasil y a tu blog... visitalo si te parece bien.

Saludos,

Sergio.

Alma Inquieta disse...

Olá Amigo Jair,

gostei do teu texto e da lição que dele tirei..., temos muito a aprender.

No meu blog tens uma homenagem que o Sergio e eu fizemos a esse país maravilhoso e ao teu blog.

Um beijo e que tenhas um excelente domingo.

Leonel disse...

Jair, foi muito legal resgatares as habilidades deste bendito pássaro!
Por incrível que pareça, eu sabia desta peculiaridade das gralhas que plantam pinheiros.
Na minha época de colégio, os livros complementares de estudos sociais e naturais citavam os costumes deste pássaro tão positivo para a natureza!
Hoje, pelo que tenho visto, alguns livros escolares estão servindo até para "fazer a cabeça" das crianças, ensinando absurdos e idiotices políticas!

R. R. Barcellos disse...

- Simbiose, consórcio, comensalidade, exploração, parasitismo são termos que se aplicam às relações entre seres vivos de espécies ou reinos diferentes; o termo varia conforme a vantagem seja mútua, ou do mais forte, ou do mais fraco, ou se a interação é vital para um ou ambos...
- Só que até hoje ninguém me explicou convincentemente quem é o forte e quem é o fraco...
- Mais uma bola na caçapa, Jair. Parabéns.

Anônimo disse...

Caro CB. Ramão,

Obviamente, tu que vens da terra dos pinheirais,entendes melhor do que eu a epopeia desta linda ave, eu apesar de biologo, não sou um bom exemplo de ambientalista, mas me recordo que a única vez que vi uma gralha azul, foi ai em Floripa quando tu e a Brandina nos convidaram, eu Marilene e Pedro, para comermos uma sequencia de peixes, e enquanto a Brandina lutava deseperadamente para estacionar teu Taurus, nos observamos um destas lindas aves, tanto foi legal que eu nunca esqueci (apesar de aquele alemãozinho por vezes andar na minha volta).
abração
Fábio

Daniela disse...

Excelente texto, recheado de detalhes lindos sobre essa ave tão maravilhosa!! A natureza é perfeita!!

serpai disse...

Gracias Jair por tu visita y por el detalle!

Me encantó el post que me recomendaste!

Te deseo muchisima suerte para tu primer..., segundo, tercero... y todos los libros que publiques, porque escribes muy bien y lo mereces.

Te dejo saludos,

Sergio

Luci disse...

Vem ver, vem conhecer...minha cidade sorriso,terra dos pinheirais,onde nasceu a gralha azul...Meu vizinho escritor,fez lembrar-me do hino que homenageia a capital do seu e meu estado-PARANÁ.
Faz bem a alma,ter este pássaro como referência...o semeador da vida! Viva,viva a gralha azul,os pinheirais, a consciência ecológica.Abraços.Luci.
2 de agosto de 2010.

Luísa N. disse...

Como sempre digo, Jair, seus textos são recheados de informações; informações que nos fazem crescer em cultura e conhecimento...
Li também seu texto sobre as baratas no blog coletivo Terra. Não sabia que elas podiam ficar até um mês sem comer e outras tantas coisas...
Um grande abraço, amigo da natureza!

JAIRCLOPES disse...

Luiza,
Você é sempre bem vinda neste blog.

Camila Paulinelli - CentaurusMedical disse...

Ola,
Alem de informativo o texto, adorei a mistura com a beleza da natureza. Parabens! Beijos da nora.