terça-feira, 11 de agosto de 2009

A GRIPE PARA LEIGOS (COMO EU)


Com a chegada da gripe, primeiro denominada injustamente de “suina” e depois de “Influenza A (H1N1)” e alcunhada de “A” para facilitar nossa vida, surgiram afirmações na imprensa que deixam nós, os leigos, se não apavorados, pelo menos temerosos do que pode acontecer: à nossa saúde em particular; e ao resto da humanidade no geral. De cara, a palavra “pandemia” está sendo largamente utilizada permitindo-nos imaginar alguma coisa como a peste negra que assolou a Europa, em várias ocasiões a partir do século doze, matando quase um terço da população, e dizimando aldeias e cidades quase ao ponto de inviabilizar a civilização em algumas das regiões mais afetadas; ou lembrar da gripe espanhola que, causada por um vírus extremamente fatal ao homem, se propagou em progressão geométrica a partir dos campos de batalha da Europa em 1917 e matou milhões de pessoas em todo o mundo; ou, ainda, a chamada gripe asiática que, em meados da década de cinquenta do século passado, contagiou mais da metade da população mundial, levando a óbito centenas de milhares de habitantes, acometidos de infecções oportunistas, em virtude da imunidade diminuída pela doença. Será que o termo pandemia está bem colocado e devemos temer mais essa gripe que as gripes comuns que todos os anos acometem milhões de pessoas em todo o mundo matando muitos milhares delas? Será que a gripe “A” é tão perniciosa que devemos nos cercar de cuidados muito mais severos que os usados contra as gripes comuns? Para nos situarmos a respeito dessas indagações vamos rever alguns fatos e procurar algumas definições. Todas as doenças causadas por microorganismos patogênicos ou agentes biológicos como, vírus, bactérias, amebas, fungos, protozoários e parasitos têm algumas particularidades comuns, umas com as outras: contágio, virulência, morbidade e mortalidade são quatro importantes fatores que todas têm, e que definem a gravidade da ocorrência quando estas se instalam numa população e, em menor ou maior grau, demandam cuidados necessários para evitar uma epidemia ou uma pandemia. Lembrando: Epidemia – doença que ataca ao mesmo tempo muitas pessoas da mesma terra ou região; Pandemia – doença que ataca ao mesmo tempo a maior parte das pessoas de uma região ou do mundo. Agora vejamos os conceitos das características comuns das doenças infecciosas: Contágio – transmissão de doença por contato mediato ou imediato. É a capacidade que o agente tem de se difundir numa população, seja por contato físico, transmissão de sangue, troca de mucos corporais ou pelo ar, simplesmente. Assim, a AIDS, por exemplo, é muito menos contagiosa que qualquer gripe, sendo que esta ao ser transmitida pelo ar é extremamente “democrática”, não escolhe classe social, cor, idade, credo religioso ou nível de escolaridade; Virulência – capacidade do microorganismo de causar danos ao organismo afetado, ou seja, intensidade da doença que o agente causa. De forma que, um vírus que causa uma leve coriza e algum desconforto é menos virulento do que outro que causa febre, dores no corpo e congestão pulmonar; Morbidade – taxa de indivíduos doentes numa dada população. Maior número de doentes em relação ao número de habitantes, igual a morbidade maior, bem simples; Mortalidade – número de doentes que morrem em função da doença. Se de certo grupo de doentes morre a metade, significa que a mortalidade é de cinquenta por cento. Lembrando que a medicina diz que, ao contrário das gripes espanhola e asiática do passado, tanto o contágio como a virulência, a morbidade e a mortalidade da gripe “A” são iguais das outras gripes. E não me venham com a conversa que se trata de um vírus novo, porque, o universo de vírus que causam gripe compõ-se de mais de duzentas variedades diferentes, de tal modo que podemos ter gripe todos os anos de nossa vida sem nunca repetir o mesmo vírus, sempre somos atacados por um novo vírus. Então para que tomar medidas excepcionais contra alguma coisa igual outra que se enfrenta sem maiores problemas? E tem mais uma coisa importante, mas que ninguém fala: todos os anos milhões de pessoas são acometidas de gripes “comuns” e muitas morrem. Isso significa que com o surgimento de uma nova gripe com a mesma potência das outras (contagio, virulência, morbidade e mortalidade), vai morrer o dobro de pessoas contagiadas, já que agora temos mais uma doença? A reposta é NÃO. Porque grande maioria dos que são contagiados pela nova gripe são as mesmas pessoas que seriam atingidas pelas gripes comuns, apenas o agente é outro, um pouco diferente, mas as condições que as pessoas pegaram a gripe “A” são as mesmas que pegariam as outras gripes. Então não podemos somar os pacientes de gripes diferentes. Quando muito podemos criar um “fator de novidade gripal” que adiciona um pouco mais de pacientes afetados, já que a novidade alcança, além dos indivíduos pré-determinados a ficar gripados, - ou seja, aqueles que pelas condições físicas debilitadas, ou pela exposição aos fatores de contaminação, pegariam qualquer outra gripe no período considerado, - alguns outros poucos que viajaram para o exterior e lá se expuseram ao novo vírus, por exemplo. Assim, meus senhores, pandemia, epidemia e os cambau é exagero, é alarmismo desnecessário e paranóico. Que devemos nos prevenir, não tenham dúvidas, mas não há razão para pânico nem para fechar escolas, ou usar máscaras cirúrgicas o tempo todo. A prevenção deve ser igual a que teríamos que fazer contra qualquer gripe. Se assim fosse, todos os anos em período de surto gripal todas as escolas deveriam ser fechadas e os mesmos cuidados agora tomados seriam obrigatórios também. Considerando que existem apenas duas opções para criarmos anticorpos que nos imunizem contra esse agente: vacinação e exposição ao virus, o que as autoridades estão fazendo é uma rematada estultice, pois não temos vacina e estamos evitando a exposição, ou seja, o problema está sendo adiado, empurrado com a barriga, algum dia nossa saúde vai pagar essa conta. Ou então, a medicina está escondendo alguma coisa terrível a respeito dessa gripe e não nos diz nada, o que não acredito, teoria conspiratória não é uma boa opção. JAIR, Floripa, 11/08/09.

13 comentários:

Levis disse...

Bom dia. Parabéns pelo comentário sobre a ¨pandemia¨.

Brandina disse...

Genteeee...vcs sabem que morrem muito mais pessoas atropeladas e de acidentes automobilísticos do que dessa tal gripe? Inclusive muito mais pessoas morrem no trânsito que em todas as guerras existentes atuais.

Graça Pereira disse...

Meu Amigo
Gostei desta explanacão sobre vírus, gripes e pandemias. O mundo tem de ter sempre alguma coisa a atormentá-lo.. se não é a gripe, é a crise.. Eu penso que há quem lhe convenha que estejemos distraídos com estas pandemias, para não olhar outras que andam por aí, camufladas e muito mais perigosas. Um beijão (sem gripe..) para si Graça

Jorge disse...

Também acho que essa gripe está sendo superestimada, existe qualquer coisa de anômalo nessa exposição midiática que não consigo atinar. Aí tem truta!

Celamar Maione disse...

Também não acredito em " conspiração"....risos.
Obrigada pelas suas palavras no meu blog.
Continue lendo, por favor.
Abraços

Celamar Maione disse...

Jair,
a satisfação de um escritor é fazer um leitor feliz !
Durante quase três anos, publiquei meus CONTOS junto com outros jornalistas e escritores, num portal , o Comunique-se, que é dirigido as pessoas da área de comuniação.
Como o Literário acabou por lá, o editor do canal, Pedro Bondaczuck fez o blog do Literário com todos os que participavam do portal. Nasceu então o http://pbondaczuk.blogspot.com/que é o Literário.
Já que você gosta de ler, dá uma passada por lá. Minha coluna é toda segunda-feira. O blog é atualizado todo dia. São cinco escritores por dia. Leitura de qualidade ! Vai gostar. Meus contos são publicados lá primeiro e depois repito no meu blog. A maioria já foi publicado no C-se.

Estou procurando, ainda, uma editora. Mas sei que a luta é árdua.
No blog do Literário, o nome da minha coluna é A Vida Como Ela É.
Sugestão do editor, Pedro.
Apareça por lá e seja também nosso seguidor.
Abraço e obrigada pela sua leitura atenta e seus comentários que me fizeram muito feliz no meu blog !
Celamar Maione

Maringa disse...

Texto esclarecedor. De fato, muita gente se desespera com essa gripe, a toa. Muito bom, parabéns por ter "mandado a real". Abraços

Leonel disse...

Jair, esta gripe é coisa "dusamericanu", que criaram um vírus no laboratório da CIA, para exterminar a população do 3° mundo e aproveitar a falta de gente para tomar a amazônia ! Os argentinos também estão nessa, assim eles vão poder ganhar a Copa América um dia !

Anônimo disse...

Dear Fariseu
Excelente teu texto sobre a pobre gripe "influenza A". Eu ja cansei de tentar botar na cabeça destas criaturas, que a gripe "comum" é muito mais letal que esta e etc.. e tal, mas não adianta a Rede Globo obviamente não ta ajudando em nada, e da´lhe tamiflu a preço de ouro. abraçao
Fabio

Se o "se" não tivesse ficado só no "se" disse...

Vim parar aqui pelo seu comentário no meu blog, que aliás adorei...obrigada. Estou conhecendo o espaço ainda, mas adorei sua definição de vc mesmo, parece música, poesia, ai ai ai, só eu n consigo me definir.

Thi Perini disse...

Me senti IMENSAMENTE lisongeado com a sua presença e (mais!) comentário no meu blog!
É claro que eu esperava que alguém o lesse eventualmente mas nunca imaginei que minhas divagações adolescentóides pudessem agradar a alguém mais que adolescentes!

Muito obrigado! E um grande abraço!

Cristina Deutsch disse...

Vim te fazer uma vizitinha e agradecer o recadinho simpatico que me deixaste,gostei tambem de seu blog.Abs

Thi Perini disse...

Permissão concedida, meu querido! A casa é sua!