segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Sobre tradições





Tradições são características culturais que surgem entre etnias, povos, comunidades, nações ou países e que estão, geralmente, associadas a fatos que se perdem na história, de modo que muitas vezes é relativamente fácil distinguir de onde vieram certos ritos tradicionais, mas extremamente difícil estabelecer com segurança a data que se criou tal e qual costume ou comemoração. Vejamos o que diz o Huaiss a respeito. Tradição: comunicação oral de fatos, lendas, ritos, usos, costumes etc. de geração para geração; herança cultural, legado de crenças, técnicas etc. de uma geração para outra, conjunto dos valores morais, espirituais etc., transmitidos de geração em geração; transmissão de uma notícia ou de um fato; em certas religiões, conjunto de doutrinas essenciais ou dogmas não explicitamente consignados nos escritos sagrados, mas que, reconhecidos e aceitos por sua ortodoxia e autoridade, são, por vezes, usados na interpretação dos mesmos; aquilo que ocorre ao espírito como resultado de experiências já vividas; recordação, memória, eco; tudo o que se pratica por hábito ou costume adquirido.
Pois é, países multiculturais como o Brasil têm miríades de tradições, tanto oriundas dos povos nativos quando dos imigrantes que para aqui vieram com seus costumes e modus vivendi. É fácil verificar na grande extensão territorial, a variedade de ritos folclóricos que se tornaram tradição que estão associados à colonização. Desde danças, música, contos, superstições, mitos e vestuários, tudo mostra o caminho tomado pelos costumes trazidos pelos imigrantes e colonizadores, e quase tudo passa a pertencer ao que se convencionou chamar de costumes regionais.
Assim podemos enumerar várias tradições que aparecem na nossa cultura como: Bumba meu boi (nordeste), Cosme e Damião (Rio de Janeiro), Boi de mamão (Florianópolis), Pilcha (Rio Grande do Sul), Feijoada (quase todo território nacional), Vaquejada (nordeste), Natal (tradição católica), Festa do Chope (Santa Catarina), Churrasco (sul do país) e comidas típicas em cada região, por exemplo.
O que podemos afirmar com segurança é que todas nossas tradições podem ser rastreadas até suas origens em algum canto da Europa medieval, nos costumes tribais de nossos nativos ou em recantos da África negra e até os confins da Ásia. Sem dúvida temos vínculos com todos os povos que nos legaram seus costumes.
Óbvio que outros países têm suas tradições que se referem às suas culturas, nada tendo a ver com as nossas. Assim como o carnaval em Veneza ou as cavalgadas dos Cossacos na Mongólia, os EUA têm um Dia das Bruxas que eles chamam de Halloween, no qual as crianças se vestem com fantasias “assustadoras” e abordam os adultos em suas casas com a expressão trick or treat? Que, numa tradução aproximada seria: “gostosuras ou travessuras?”, e recebem guloseimas em resposta. No Rio de Janeiro existe um costume similar que se refere ao dia de Cosme e Damião que se comemora no dia 27 de setembro, no qual as crianças saem nas vizinhanças pedindo doces também.
O Dia das Bruxas (Halloween) é um evento tradicional e cultural, que ocorre basicamente em países anglo-saxônicos, mas com especial relevância nos Estados Unidos, Canadá, Irlanda e Reino Unido, tendo como base e origem as celebrações dos antigos povos escandinavos que trouxeram o costume para aqueles países. Portanto, essa bobagem de querer importar o Halloween, um folclore de povos nórdicos que se comemora nos EUA, é o exemplo de macaqueação mais estranho que conheço. Nossos costumes nada têm a ver com a cultura escandinava, não fomos colonizados por eles, então querer "forçar" um hábito que não nos diz respeito é estultice da mais alta conta.
Em 2005, foi criado do Dia do Saci, que deve ser comemorado em 31 de outubro. Festas folclóricas ocorrem nesta data em homenagem a este personagem. A data, recém criada, concorre com a forte influência norte-americana em nossa cultura, representada pela festa do Halloween - Dia das Bruxas. Se quisermos andar por aí fantasiados pedindo doces, por que não comemoramos o dia do Saci-Pererê, como alguns estão sugerindo? Ou adotamos a tradição de Cosme Damião em todos os estados do país? Enquanto o Brasil estiver sentindo inveja de tradições alienígenas e tentando imitar o país mais influente, não vai achar o seu caminho. JAIR, Floripa, 16/11/11.

11 comentários:

ricardoGAROPABAblauth disse...

um ABRAÇÃO JAIR

Professor Alexandre disse...

"A viagem das histórias, de povo em povo, de folclore em folclore, através de países e de séculos, é mais maravilhosa do que seu próprio enredo miraculoso." (F. Max Müller) ... Parabéns pela ótima postagem!

Abraços...

Beta disse...

Realmente Jair. Concordo com vc.
bjbj
Beta

Zilda Santiago disse...

Ainda falta personalidade e brasilidade!!Imitar o que vem de fora parece pra mts o ideal.Bjs Jair e um Natal com mt paz e a presença do aniversariante que é universal!!!

Tais Luso disse...

Jair,

É verdade! Concordo com tudo. E pensei imediatamente no nosso natal! O coitado do Papai noel metido dentro de uma roupa para o frio do Alasca, e nossas árvores cheias de flocos de neve... Mas como bons brasileiros temos a mania de imitar a todos, principalmente nomes de filhos (horrorosos), nome de lojas e produtos.

Se ficássemos 'À BRASILEIRA', com o que é nosso, certamente não seríamos chamados de macaquitos. Somos ricos em nossos costumes, pra que importar certas bobagens que, muitas vezes nada tem a ver conosco?

Ótimo seu texto.
Abraços
Tais Luso

R. R. Barcellos disse...

Não concordo, guru. O sincretismo religioso, a miscigenação racial e a mistureba cultural têm enriquecido nosso povo sem ameaçar sua identidade. Há apenas que cuidar que os importados não expulsem das nossas prateleiras o rico produto nacional. Se desviarmos o foco das grandes metrópoles e olharmos para os rincões, veremos a força de nossa cultura.
Abraços.

Leonel disse...

Sem querer ser xenófobo, acho que não faz nenhum sentido "importar" tradições de outros países, sem nenhuma ligação de raiz conosco.
Já temos nossas próprias tradições!
Para mim, isto é apenas interesse comercial, para vender fantasias e guloseimas típicas daquela festa!
E dos duendes nacionais, o meu predileto é o curupira, que atrapalha a vida dos caçadores!
Abraços, Jair!

J. Muraro disse...

Fico com saci, não sei por esse tal dia das bruxas. Vade retro halooween!

Orvalho do Céu disse...

Olá,

" Das alturas orvalhem os céus,
E as nuvens que chovam justiça,
Que a terra se abra ao amor
E germine o Deus Salvador"...

Fico tão sem palavra para agradecer o carinho imensurável com que me cumula ao longo do ano que só posso lhe dizer que:
Seja muito abençoado e feliz, amigo!!!
Bjs fraternos de paz e FELIZ NATAL... apesar de qualquer vestígio de dor em seu coração...

"Quando eu estiver contigo no fim do dia, poderás ver as minhas cicatrizes,

e então saberás que eu me feri e também me curei."

Tagore

Attico CHASSOT disse...

Muito douto Jair,
leio aqui em Manaus tua aula acerca do ‘folclore’. Não apenas te felicito com exalto a batida nas ‘importações alienígenas. Li todos os comentários e permito-me subscrever o do Leonel.
Com admiração

attico chassot

Luci disse...

Quando citou o"bumba-meu-boi" do nordeste,lembrei os bois "Garantido E Caprichoso", linda festa no norte do Brasil, mais precisamente no Estado de Amazonas,em Parintins,one vibram as cores azul na torcida do boi Caprichoso e vermelha do boi Garantido, e inspiram cantores ,músicos e compositores...É festa nossa,onde os indígenas,as matas...sao lembradas! Boa postagem.Luci.