quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Algarismos e relógios



Por volta de oito mil anos antes de Cristo surgiu na Babilônia a prática de usar pequenas placas de barro com marcas para se referir a objetos. Esses símbolos registravam principalmente número de coisas a serem compradas e vendidas como carneiros, cerâmicas e peles. Peças de barro diferentes se referiam a diferentes objetos ou quantidade de objetos. A partir daquele momento, os carneiros podiam ser contados mesmo que não estivessem presentes, o que tornou o comércio e o armazenamento de estoque muito mais fluídos, muito mais fáceis de serem contabilizados. Foi o nascimento do que chamamos de números.
No quarto milênio aC, na Suméria, região que faz parte do hoje vilipendiado Iraque, esse sistema simbólico evoluiu para a escrita em que um graveto pontudo era pressionado no barro úmido, A primeira representação dos números era em forma de círculos ou das unhas dos dedos. Por volta de 2700 aC, o marcador tinha a ponta achatada e as marcações pareciam pegadas de pássaros, com marcas diferentes representando números diferentes. Essa escrita, chamada cuneiforme, marcou o começo de uma longa história dos sistemas de escrita ocidentais. É interessante pensar que o início do que viria a se chamar literatura foi uma mera consequência residual da notação numérica inventada pelos mercadores mesopotâmicos.
Na escrita cuneiforme só havia símbolos para 1, 10, 60 e 3600, o que significa que o sistema era um mix de base 60 com base 10. Dá para notar alguma semelhança com nosso sistema de marcação de tempo? Com nossos relógios que marcam minutos e segundo na base 60, mas os dividem em 10 e submúltiplos? A razão para os sumérios agruparem os números em múltiplos de 60 já foi descrita como um dos maiores mistérios não resolvidos da história da aritmética.
Os babilônios que fizeram grandes avanços em matemática, astronomia e astrologia (inventaram o Horóscopo Planetário do qual falarei em outro texto), adotaram a base sexagesimal suméria, e depois os egípcios, seguidos pelos gregos, basearam seus métodos de medida do tempo no método babilônico – razão para nossos relógios dividirem a hora e os minutos em 60 unidades. Estamos tão acostumados a medir o tempo na base 60 que normalmente não questionamos esse fato, embora seja algo não explicado.
Contudo, a França depois da revolução, queria passar a limpo tudo que via como incoerências do sistema adotado até então. Quando a Convenção Nacional, em 1793, introduziu o sistema métrico para pesos e medidas, tentou-se colocar o tempo dentro do sistema decimal também. Assim, um decreto estabeleceu que os dias seriam divididos em 10 horas, cada hora em 100 minutos, cada minuto teria 100 segundos. O horário decimal tornou-se obrigatório em 1794, e nos relógios fabricados na época as horas iam até 10. Mas o novo sistema não foi assimilado pela população e foi abandonado depois de seis meses. Na verdade, os relógios que foram fabricados naquela época são verdadeiras raridades cobiçadas pela tribo dos colecionadores, na qual me incluo.
Mas, recentemente, em 1998, o conglomerado suíço Swatch lançou o relógio Swatch Internet Time, que divide o dia em mil partes chamadas “beats”. Eles venderam os relógios que mostravam uma “visão revolucionária do tempo” por mais ou menos um ano antes de, constrangidos, retirarem o produto do mercado diante do fiasco de vendas. Nossa mente está sexagesimada demais quando se refere ao tempo, não há como desprogramá-la num estalar de dedos.
Trabalhei algum tempo numa empresa de taxi aéreo em Curitiba, onde a marcação de tempo nos relatórios de voo se fazia na base decimal. As horas eram divididas em 100 minutos e assim eram registradas. Confesso que, no começo, além de parecer idiossincrasia ociosa da empresa, tive certa dificuldade em “desprogramar-me” do sistema sexagesimal, transformar cada fração de seis minutos em dez minutos me confundia um pouco. Depois, passou a parecer natural uma marcação decimal tão mais divisível e multiplicável para atribuir valores em dinheiro pelas horas voadas.
Quanto à marcação numérica dos primeiros mostradores, o uso de algarismos romanos foi a opção preferencial porque conferia certo charme aos relógios. Normalmente era usada a notação usual dos numerais romanos: I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII, IX, X, XI e XII. Contudo, a marcação da quarta hora passou a ser IIII em consequência de um acidente ferroviário na Inglaterra no século dezenove. Consta que o encarregado de uma estação confundiu o VI com o IV e informou através de telégrafo, como era costume, o horário errado que o trem deveria sair. Em sentido contrário foi despachado outra composição pela mesma linha supondo que, pelo horário informado, o comboio só sairia duas horas depois, foi uma colisão frontal que resultou em dezenas de mortos e feridos. As autoridades inglesas resolveram então mudar os mostradores para evitar nova confusão, assim, até hoje ainda temos relógios com marcação IIII ao invés de IV para informar a quarta hora.
De qualquer forma, com ou sem números romanos, os relógios são mecanismos que cativam os seres humanos desde sua invenção, atribuída ao arcebispo de Verona chamado Pacífico no ano 850 de nossa era. Confesso que sou fascinado por relógios mecânicos, os coleciono e agora estou à procura de alguns exóticos como relógios de mecanismo totalmente de madeira. Algarismos e relógios são uma combinação irresistível. JAIR, Floripa, 01/08/11.

14 comentários:

Cícero disse...

Fantastico! Mais um conhecimento adquirido no seu blog. Abs

António Gallobar disse...

Olá

Pronto eu rendo-me... tocou num assunto, que acho simplesmente fantástico, sobretudo no que toca aos grandes enigmas das culturas ancestrais, é bem como diz, habitua-mo-nos a ver as coisas sem as questionarmos, e, assim não deveria ser, deixou-me impressionado, Sinceros parabens, este texto vai comigo, se não se importar, vou colocá-lo junto dos melhores.

Um Grande abraço

Adri disse...

Supimpa!

R. R. Barcellos disse...

Fico sabendo agora a razão da insólita representação do algarismo 4 em romanos, nos relógios. Quanto ao sistema sexagesimal, estou convencido de que foi desenvolvido a partir da necessidade de um calendário que arredondasse o número de dias do ano para 360, como já tive oportunidade de expor há algum tempo, no Sete Ramos. Mas reconheço que não há evidências históricas - apenas raros indícios arqueológicos, nas construções destinadas à observação das efemérides astronômicas.
Parabéns pelo excelente artigo. Abraços.

Attico CHASSOT disse...

Muito preclaro Jair, o Pensador,
realmente muito elucidativa esta blogada. Permito-me duas adições.
#1) Uma vantagem do sistema sexagesimal é a dúzia: que tem como divisores 2, 3, 4 e 6; enquanto a dezena só tem o 2 e 5.
#2) Na pretendo mudar paradigma, mas para datas não precisa busca-se fugir ao domínio do calendário cristão e em respeito a pluralidade (calendários judaico, chinês, islâmico) usa-se A.P. (antes do presente). Assim poderias dizer:
Por volta de dez mil anos A.P. surgiu na Babilônia a prática... ou Por volta de dez mil A.P. surgiu na Babilônia a prática.
Obrigado por disseminares o conhecimento,

attico chassot
http://mestrechassot.blogspot.com

Tais Luso disse...

Fascinante esta sua aula! Agora entendo o porquê de sua coleção e do seu comentário deixado num de meus posts onde falo de colecionadores.
Eu adoro antiguidades, mas tive de dar um 'basta' Já tenho o suficiente. rsrs

Grande abraço
Tais

JAIRCLOPES disse...

Obrigado pelos lembretes Chassot, vou sempre observá-los nas próximas postagens.
Lais, bem lembrado que já falei sobre coleções em comentário no seu blogue. Acontece que sou colecionista e sempre estou as voltas com esse assunto que me fascina.
Abraços a ambos, JAIR.

Professor Alexandre disse...

Muito interessante! Adorei...! Realmente relógios e algarismos andam de 'mãos dadas'... Não sou colecionador, mas também me interesso por relógios antigos, tenho um relógio de bolso, feito em prata e datado do século XIX que ganhei do meu pai e sempre carrego comigo...
Parabéns pela postagem meu Nobre Colega!

Abraços Fraternos...

estranhasedução2012 disse...

Adorei esse textos, principalmente a parte que explicava a escrita cuneiforme e a influencia dela... muito interessante esse texto, um pouco de história é sempre bom!
beijos, Duda.

Graça disse...

OLá, Jair!

Como estou retornando à net, vou visitando os amigos devagar, mas sempre. E que surpresa boa essa, hoje aqui! Tu sabes que amo relógios, histórias que dizem respeito a relógios...e principalmente aprender como aprendi bastante lendo e relendo sua postagem.
Fico maravilhada.
Evidente que, como disse o Gallobar, assuntos que tangem a 'grandes enigmas das culturas ancestrais' também me impressionam e atraem bastante!
Obrigada por essa aula! Um abraço.

Leonel disse...

Eu desconhecia esta tentativa de "decimalizar" o tempo!
Também me intrigava o quatro romano nos relógios ser "IIII".
Agora, sei que foi uma solução à moda "brasileira": oficializar um erro para se adaptar aos que erram!
Aprendi muito com este post!
Grato pela aula, Jair!

Goreti Martins disse...

Boa noite
Obrigada por toda a informação k de alguma forma desconhecia tudo isso.

Abs.

Atenciosamente:

GORETI MARTINS

Sandra Portugal disse...

Para uma matemática conhecer seu blog é tudo de melhor!
Parabéns!
Sandra
http://projetandopessoas.blogspot.com//

Camila Paulinelli - Centaurus Medical LLC disse...

Ola,
Acho genial a questao tempo e como este eh medido.
Gostei da história do algarismo IV.
Otimo texto!
Beijo da nora,