domingo, 1 de novembro de 2009

TERCEIRA GUERRA MUNDIAL. INEVITÁVEL?


Ao longo da história da humanidade as famílias, os clãs, as tribos, os povos, as nações, os países e os blocos religiosos, ideológicos e políticos estiveram mais tempo envolvidos em guerras, disputas, campanhas bélicas, revoluções e matanças, do que em paz. Registre-se que nos últimos dois mil anos apenas duzentos e cinquenta foram totalmente de paz, sem quaisquer lutas entre os homo sapiens.
Os motivos que levaram os homens às armas contra seus semelhantes foram os mais variados e, de certa forma, evoluíram desde prosaicas rixas envolvendo pessoas exaltadas de uma família e outra em torno de paixões entre seus membros, tipo Romeu e Julieta, até guerras mundiais onde a conquista de nações por outras estava no centro do conflito. Paralelo ao desenvolvimento da urbe e das organizações políticas mais complexas como as nações, as armas envolvidas nas lutas também evoluíram de simples pedras e paus, passando pelo arco e flecha, lanças, bestas, bacamartes, canhões e bombardas, até modernas metralhadoras, mísseis inteligentes de multiogivas, aviões e navios bélicos e artefatos nucleares. evidências que nos primeiros ajuntamentos humanos como tribos ou vilas as disputas surgiram por causa de rapto de mulheres, bordunas e paus aguçados a guisa de lanças serviam de armas que feriam e, eventualmente, matavam. Depois, aconteceram litígios por acesso a terras férteis ou de caça abundante, onde arcos e flechas seriam usados. Mais tarde surgiam questões econômicas e de poder que levavam principados, feudos e reinos a se envolverem em guerras mais extensas, com armas mais sofisticadas e mortíferas e exércitos bem formados. Os grandes impérios – mongol, persa, romano, britânico e otomano - se constituíram a partir de guerras de conquista, invasão de reinos e países que eram anexados ao poder central.
No século dezenove as guerras napoleônicas e a consolidação de alguns países da Europa central, definiram o largo emprego de artilharia pesada e cargas de cavalarias entre potências no século vinte, as duas grandes guerras que envolveram mais da metade dos países do Planeta, foram motivadas por desmedidas ambições territoriais e oposições ideológicas, misturadas com questões econômicas, nacionalismos exacerbados e escassez de matérias primas, e fizeram uso das mais modernas tecnologias em armas convencionais, além do emprego de duas bombas nucleares. A chamada “Guerra Fria” que seguiu após o segundo conflito mundial, era consequência de ideologias antagônicas que dividiram o mundo em áreas de influências e colocavam-se em campos opostos sob quaisquer pretextos, mantendo as populações em suspense porque ambos os lados detinham (ainda detêm) poder atômico capaz de dizimar toda manifestação de vida do Planeta. O petróleo, as religiões e o domínio de territórios foram os maiores motivadores das subsequentes guerras locais até o presente século.
Segundo analistas futurólogos, não há evidências de que num futuro próximo surja no horizonte um novo conflito de
proporções planetárias motivado por questões como petróleo, religião, ideologias, fontes alternativas de energia, conquistas territoriais ou escassez de matérias primas, mas, quando o assunto é ÁGUA, o cenário muda de figura.

Vivemos num mundo em que a água potável se torna um desafio cada vez maior. A escassez de água no mundo é agravada em virtude da desigualdade social e da falta de manejo e usos sustentáveis dos recursos naturais que não progridem na mesma proporção do crescimento populacional. Além disso, numa dicotomia perversa, as regiões do globo menos desenvolvidas – onde, evidentemente, se consome menos - como a África, a América Latina e partes da Ásia, detêm a maior quantidade de água doce, em detrimento de regiões desenvolvidas que consomem mais e têm menos reservas naturais do precioso líquido. Também, por ironia histórico geográfica, as regiões onde o petróleo abunda a água escasseia; riqueza oriunda do petróleo significa pobreza de fontes aquíferas, quase sempre. Na Venezuela, país grande produtor de petróleo, a água mineral em garrafas é de dez a vinte vezes mais cara que o preço de um litro de gasolina. Israel, Jordânia e Palestina: 5% da população do mundo sobrevivem com 1% da sua água disponível no Oriente Médio, nesse contexto ainda há a guerra entre árabes e israelenses. Isso poderia contribuir para crises militares adicionais enquanto o aquecimento global continua. Israel, os territórios palestinos e a Jordânia necessitam do rio Jordão, mas Israel controla-o e corta suas fontes durante as épocas de escassez. O consumo palestino é então restringido severamente por Israel. De acordo com números apresentados pela ONU, fica claro que controlar o uso da água significa deter poder.

As diferenças registradas entre os países desenvolvidos e os em desenvolvimento chocam e evidenciam que a crise mundial dos recursos hídricos está diretamente ligada às desigualdades sociais. Em regiões onde a situação de falta d'água já atinge índices críticos de disponibilidade, como nos países do Continente Africano, onde a média de consumo de água é dez a quinze litros por pessoa. Já em Nova York, há um consumo exagerado de água doce tratada e potável, onde um cidadão chega a gastar dois mil litros por dia.

Então, é quase compulsório inferir que os ricos que consomem muito mais e têm pouca água se voltarão para as regiões de fontes abundantes. Guerra pela posse água potável é uma possibilidade aterradora e bastante real dentro de uma ou duas gerações, principalmente levando em conta que aqueles que detêm poder nuclear são, justamente, os que mais consomem e menos tem acesso às fontes disponíveis de água de boa qualidade e barata. JAIR, Floripa, 29/10/09.

5 comentários:

Maringa disse...

Nossa, apesar da água ser o elemento mais importante, acho difícil uma terceira guerra mundial surgir por causa dela. Água é o que mais tem no mundo, e apesar dela não ser consumível, é possível tratá-la, ainda que saia muito caro. É uma questão com saídas possíveis. Se surgir essa guerra provavelmente vai ser por N outros motivos... eu acho.

abraço Jair

Anônimo disse...

Jair

Conteúdo ricamente construído e bem pontuado por excelentes ilustrações.

Mais do que uma pausa para reflexões sobre a temática, devemos iniciar constantes e sensatas práticas quanto ao uso da água, sobretudo a potável. Práticas essas que remetem ao cerne contrutivista e compotamental quotidiano do dito "homem moderno".

Saulo

Ângela Coelho disse...

Jair! Escolhestes um tema polêmico pois a água está sendo gasta em abundância e está rareando, precisamos controlar o consumo pois pode se tornar um elemento de disputa num futuro próximo.
Beijos.

William disse...

Nossoa Um tema um conteudo super interesante ...
Apesar de nosso planeta ser rico nesta substãncia , embora não seja consumivel , sim é possivel tratá-lá "Maringa Disse..."
Mas , infelismente temos de lembrar
que estamos falando na "Humanidade"
a qual , prefiriu casar todas estas Carneficinas , relatas no Texto... do que evitá-las com uma simples converça!

Anônimo disse...

Adorei! Muito obrigada pela ajuda. Concordo com você.