sexta-feira, 22 de junho de 2012

Jeans


Milhares de anos depois que o asteróide tiver atingido o Planeta, extinguido toda a humanidade e destruído suas conquistas e realizações, é razoável supor que se astronautas de civilização alienígena por aqui chegarem vão se deparar com muitos indícios dos animais bípedes que dominaram a Terra por milhões de anos. Claro que seres que se propõem viajar por distâncias astronômicas por longo tempo pelo espaço ignoto, deverão ter aguçada curiosidade científica que os compulse a práticas arqueológicas quando aqui chegarem. Um Planeta habitável destituído de vida inteligente deverá ser um prato cheio para suas pesquisas.
Fazendo levantamentos com equipamentos de avançadíssima tecnologia poderão inferir milhões de informações sobre a nossa civilização extinta. Poderão verificar que se tratava de uma raça única de primatas que desenvolveram a capacidade de se comunicar oralmente, que inventaram a escrita e criaram tecnologias eletrônicas de certo destaque, que possuíam também habilidades manuais desenvolvidas que os distanciaram culturalmente de seus primos chimpanzés e gorilas. Deduziriam que se tratava de bípedes dotados de inteligência apreciável, inquietos, nômades que haviam se distribuído por todas as massas térreas do Planeta, até as mais inóspitas como o Ártico e os desertos.  Por outro lado, ficaria evidente que esses primatas apresentariam milhares de variações em suas conquistas, escolhas, invenções e modus vivendi, embora se tratasse de animais da mesma raça que cruzavam entre si sem impedimentos genéticos. Verificariam que haveria níveis de consumo (sinais de riqueza) muito variáveis demonstrando que, embora fossem da mesma raça de certa espécie, alguns prosperavam outros não, e isso seria muito estranho para os alienígenas que não incluíam classes sociais em sua cultura.
Os visitantes alimentariam seus supercomputadores com os dados coletados e ficariam surpresos com a quantidade fantástica de artefatos, objetos e elementos criados para dar suporte a essa civilização que havia sumido para sempre. Contudo, a maior surpresa estaria reservada não à multiplicidade de coisas encontradas, mas sim aquilo que era comum a quase todos os humanos, quer vivessem no Himalaia, nas Ilhas Faroe, na Antártida, no Saara, na Amazônia ou em Tóquio; fossem homens, mulheres ou jovens, todos usavam ou teriam usado um objeto simples durável em forma de calças: jeans. Restos de tecidos de brim com costuras duplas reforçadas, de certa espessura e cor, fechos éclair e ilhoses de metal indicariam que, independente de classe social, região na qual viviam, clima, altitude e grau de sofisticação de suas existências, o uso de jeans era algo que poderia ser interpretado como praticamente obrigatório.
Visto isso, os antropólogos ao serem obrigados a classificar essas descobertas, teriam que colocar a civilização Homo sapiens em alguma ordem, família, tipagem ou espécie, com já faziam com suas descobertas em outros planetas. Então, assim como os cientistas humanos fazem ao se deparar com objetos ou costumes recidivos a uma etnia, um povo ou uma cultura desconhecida, depois de analisar os dados, concluiriam que: haviam descoberto a civilização dos jeans.
Nenhum item de vestuário, talvez de qualquer outro uso, coletivo ou individual, é mais universal, mais versátil ou mais aceito e disseminado do que os jeans, roupa inventada em 1873 por Jacob Davis e Levi Strauss para uso de trabalhadores braçais das minas de carvão. JAIR, Floripa, 20/06/12. 

10 comentários:

Graça disse...

E esses alienígenas certamente aderirão a essa moda, querido, digamos assim, superatemporal... você não concorda, Jair? rs
E eles, os seres do futuro bem próximo, não encontrarão também, sem dúvida alguma, nenhuma placa sobre nós bípedes, onde se leria:

-nihil obstat...bip, bip, vamos voltar ao nosso planeta, perdemos nossa viagem, e os nossos sonhos de anos intergalácticos pra nada!...

****
Espetacular sua tomada! Sensacional seu ponto de vista.
Demoro muito a visitá-lo, mas sempre chego em muito boa hora também!
É muito bom refletir com você, sempre.

Um grande abraço!

*****
Em tempo: minha coleção de "relógios" cresce a olhos vistos...será que serei pesquisada também por esse detalhe, amigo?

EU USO CALÇA JEANS!!!!!rsrs

J. Muraro disse...

Podemos afirmar: eu uso, tu usas, ele usa, nós usamos, vós usais, eles usam. Melhor dizendo, só existem dois tipos de pessoas: os que usam jeans e os mortos. Abraços e parabéns pelo excelente texto.

Leonel disse...

Não sei se os alinenígenas realmente encontrarão traços que lhes possam dar idéia da nossa civilização, mas, no que diz respeito à nossa história nesses últimos dois séculos, os jeans certamente fazem parte dela!
Ótima lembrança. Jair!

R. R. Barcellos disse...

Brim Coringa - não encolhe... mas é biodegradável (felizmente).
Talvez um objeto menos ecológico, por ser menos degradável, leve esses futuros arqueólogos e antropologistas a concluir que a raça dominante no planeta andava sobre pés com apenas dois dedos cada - testemunho das sandálias havaianas e similares...
Abraços.

Daniela disse...

Adorei o texto, parabéns! Explorou um pequeno grande detalhe comum da nossa raça! Muito bom!

Cristiano Marcell disse...

Muito bom!

Tais Luso disse...

É, certamente o jeans foi uma revolução de atitudes e de costumes, nivelou a maneira de vestir de gerações, acho fantástico o jeans ter se tornado uma roupa 'universal', tudo se tornou mais fácil, mais acessível. E o mundo da moda ficou mais jovem.

Ótimo seu texto.
Tais

Graça disse...

Jair, deixei um recadinho pra ti lá no nosso amigo Rodolfo.
Aliás, não é recado, é "intimação"!!

Abraços.

Attico CHASSOT disse...

Meu caro Jair, mais um texto para a antologia que deve ser produzido de teus blogares.
Será que vão encontrar o ancestral tupiniquim: as calças de brim coringa.
Com admiração,
attico chassot

Professor Alexandre disse...

Muito interessante... O jeans realmente representa mais do que uma mera vestimenta, ele é quase um 'uniforme' dos tempos modernos!

Parabéns pela postagem...
Abraços!