quarta-feira, 28 de abril de 2010

DIA DO LIVRO




Em 23 de abril comemora-se o Dia Mundial do Livro. Apesar de opiniões contrárias, o livro ainda é o maior divulgador de cultura que já se inventou. Mesmo após surgirem tantas novas tecnologias de divulgação cultural ou “formadoras de opinião” como se costuma dizer; mesmo que meios midiáticos proliferem nessa aldeia global, o livro ainda permanecerá muito tempo entre nós, apesar de muitos alardearem sua futura "aposentadoria". Ele ainda é a forma mais democrática e acessível de conhecimento, sobretudo se considerarmos a população mundial como um todo.

O livro é facilmente armazenado. Podemos lê-lo em nosso próprio ritmo sem perturbar os outros. Podemos retornar às partes difíceis ou degustarmos novamente partes que nos trouxeram um deleite especial. Ele é produzido em massa, a custo relativamente baixo. Além disso, a leitura por si mesma constitui uma atividade deslumbrante, imaginemos: olhamos para uma folha de papel feita a partir de uma árvore, e a voz do autor começa a falar dentro de nossa cabeça (Alô, você sabia que...). É assombroso! Não dá para descrever o maravilhoso mundo que se descortina depois que abrimos um livro especialmente agradável. Não conheço nada mais prazeroso. (vão dizer que sexo é melhor, e eu concordo, mas, sexo e leitura não são excludentes, pelo contrário, quem mais lê, mais prazer encontra no sexo. Afinal, o cérebro é o centro do prazer, não é mesmo?).

Não devemos esquecer, ainda, que a melhora no conhecimento humano e no potencial de sobrevivência da civilização, só aconteceu após a invenção da escrita e popularização dos livros. O mundo sem escrita era um mundo imerso no obscurantismo que degrada e oprime. Houve também o progresso na autoconfiança: passou a ser possível apreender pelo menos os rudimentos de uma arte ou uma ciência através de livros, e não mais depender do acidente feliz que consistia encontrar um mestre diletante disposto a passar seu conhecimento adiante.

Em última análise, a invenção da escrita deve ser exaltada não apenas como uma inovação brilhante, mas como um notável benefício para a humanidade. A civilização ao livro deve ABSOLUTAMENTE TUDO! E, supondo que venhamos sobreviver o bastante para usar todas as invenções possíveis e imagináveis conseguidas graças ao livro, ainda assim, desfrutando todo o conforto e o prazer que meios eletrônicos nos tragam, o LIVRO continuará sendo nosso companheiro inseparável.

Quero pedir desculpas a todos bibliófilos, bibliotecários, biblióforos, bibliognostas, bibliólatras, bibliólogos, bibliômanos, bibliopegistos, bibliátricos e até aos bibliopiratas do Planeta, por ter me esquecido de homenagear o livro no seu dia, ainda assim, a todos eles e a todos os livros, meus parabéns extemporâneos. JAIR, Floripa, 28/04/10.

11 comentários:

R. R. Barcellos disse...

Das tabuinhas de barro que nos trouxeram o Código de Hamurabi e a Epopéia de Gilgamés, passando pelos hieróglifos egípcios e pergaminhos gregos, chegamos à genial invenção de Gutemberg, que espalhou inúmeras sementes onde somente uma se plantava. E hoje, quando falsos profetas apontam a morte do livro, por conta das facilidades da Internet, eu desvio meus olhos do monitor e contemplo orgulhoso as prateleiras pejadas de volumes que me proporcionaram tanto prazer e alegrias. É nesses escritos que você e eu haurimos as dádivas que compartilhamos com os amigos, por meio destes "posts" na Internet. E viva o livro!

Tereza disse...

Jair, bonita homenagem que vc.presta ao seu fiel companheiro: O LIVRO.
Você é um BIBLIÓFILO! Acertei?
As demais expressões, desconheço. Exceto, Bibliotecário.

Vieira Rocha disse...

Grande JJ, gostei do seu blog e sempre que puder farei uma "passagem baixa" por ele. No momento estou me preparando para ir a sampa, amanha havera uma reuniao com o BUCA para acertarmos a retomada da BETA ao mercado. Ja que voce falou sobre a importancia do livro, segue,anexo, um e-mail que fala sobre uma descoberta inovadora...
Um abraco.
VRO.

J. Muraro disse...

Concordo que o livro JAMAIS vai ser substituído por quaisquer geringonças eletrônicas. Nada se compara ao prazer de abrir páginas de papel e sentir o cheiro do da tinta....

Anônimo disse...

muito bom Jair.
pensar q o livro vai sumir seria o mesmo que pensar em nao nos comunicar mais.
o ser humano é incrivel no tocante a comunicaçao.
cada vez agrega valores em sua comunicaçao.
mimica/fala/escreve/telegrafa/fona/tecla/bloga e etc... um abraço...e muito feliz sua homenagem

Leonel disse...

Amigo Jair:
Os livros já foram escritos em pedra, nas tais tabuinhas de barro que o Barcellos falou, nos antigos pergaminhos e, atualmente, no papel.
Como se vê, o que muda é apenas o material utilizado,mas o livro permanece cumprindo o seu propósito, que é permitir que milhares ou até milhões de leitores compartilhem das ideias e sonhos do escritor, numa relação de estreita intimidade, mesmo que estejam fisicamente isolados, e na mais completa solidão.
Assim, está vindo aí uma nova forma de conter o livro, que, segundo se diz, permitirá que levemos uma boa parte de nossa biblioteca em uma plaquinha do tamanho de uma página, e com a espessura de um dedo, que caberá na nossa pasta sem dificuldade. Poderemos folhear à vontade, marcar a página onde paramos, destacar os trechos que mais nos interessam e muito mais.
Esta nova ferramenta não é o fim do livro, mas apenas uma nova forma de porta-lo. Esperemos que facilite o aumento do número de leitores, pois na internet, nos noticiários e nas legendas dos filmes vemos uma alarmante incapacidade de expressar ideias. A causa disto é a falta de leitura! Quem lê muitos livros acaba por aprender também a escrever melhor.
Pobre de quem nunca leu um livro! Pode acabar sendo eleito presidente!

Leonel disse...

Em tempo: já há algum tempo está disponível no Brasil o DVD "Farenheit 451", baseado na obra do genial Ray Bradbury.
Quem ama os livros não deve deixar de ver (ou rever).

Anônimo disse...

Republicando um texto que escrevi quando o Kindle foi lançado:

O Livro e o Kindle

O livro é o símbolo supremo da inteligência, da sabedoria e da cultura. Mas o que diabos é um livro afinal?

Um livro é composto de páginas. Páginas são retângulos de papel grudadas em um dos lados por cola, grampos ou costura. Várias destas páginas cobertas por um outro pedaço de papel, geralmente mais grosso e/ou com algum tipo de ilustração, chamado de capa, fazem um livro.

Pronto.

Ah, detalhe que eu quase esqueci. Um livro só é um livro mesmo, se neste monte de papel estiverem impressos símbolos chamados letras. E tem mais. Estas letras devem estar organizadas em palavras e as palavras em frases. Quando estas frases têm uma certa ordem e coerência e transmitem idéias aos leitores (leitores são as pessoas que olham para um livro e decodificam os símbolos em suas cabeças) temos finalmente o livro.

Pronto? Na verdade não.

O livro transcende o físico. A manifestação física, o objeto em si não é nada, de nada interessa. Afinal que uso tem um monte de papel? Fazer fogo, talvez. O livro é na verdade as idéias que ele transmite. Estas idéias são o que alimenta a inteligência, a sabedoria, a cultura dos homens. Em suma: dane-se a forma e viva o conteúdo.

Todos concordam? Com perdão pelo lugar-comum (lugares-comuns são atentados a boa escrita de frases e de livros): Aí que o bicho pega.

A maior empresa virtual e maior revendedora de livros do mundo, a Amazon.com, acaba de lançar o Kindle, “a evolução (substituição?) do livro”. O Kindle não tem nada a ver com um livro na forma. É de plástico, vidro, silício e todos estes materiais que constituem um computador moderno.

O problema é que prevejo que autores e leitores discutirão e tomarão lados se são adeptos ou não do livro digital. Eu consigo já visualizar muita gente boa criticando o Kindle e defendendo o valor do livro impresso. Mas não haverá perdão para estes últimos. Eles estarão dando valor a um monte de papel e esquecendo o que realmente importa. E logo eles que lêem tanto e portanto deveriam ser adoradores da inteligência, sabedoria e cultura.

Augusto Lopes

Alma Inquieta disse...

Olá Amigo Jair!

Interessante este texto!
Eu também falei sobre o assunto...

Passa pelo meu blog, há um presente que quero partilhar contigo... dessa forma quero que participes da minha alegria... se o desejares leva-o... ficaria muito feliz...!!!

Um beijo.

Anônimo disse...

Depois de tantos pertinentes e homenageantes comentários, resta-me com motivação parabenizar e finalizar...:::

Haaa Tiii Bummm...!!!
Viva o Livro!!! Viva o Livro!!!

Saulo

Joel. disse...

Jair. Segundo Ruy Castro as duas melhores coisas da vida são: Primeira; escrever. Segunda; ler. A outra, essa em que vc está pensando, é hors concours.