domingo, 20 de março de 2011

O cavoucador


(Uma homenagem a Mia Couto, escritor moçambicano)

Estranhamente era a primeira vez que Joel e eu andávamos por aquelas lonjuras, não nos déramos conta do quando tínhamos caminhado até chegar num local cuja feição fugia às familiares parecenças dos campos vizinhos à Cidade, nossos conhecidos desde sempre. Aqui, o verdoengo dos Campos Gerais dera lugar a um castanho de terra sem viço, árida mesmo. Só capim ralinho se dava ao trabalho de tentar cobrir aquele chão seco que rangia debaixo de nossos pés, pisoteantes cansados. Morros e morrotes ondulantes se viam até não mais ver, num semsentido de repetições contínuas.

Distraídos, proseávamos papo sem fundos quando ruídos subitantes interrompem nossa conversa desprevenida, pareciam vozes trás o pequeno monte, logo à nossa frente. Subimos com cuidado, meio receosos. Era um homem que, do outro lado do morrinho, cavava um imenso buraco, resfolegando com fúria insana sobre a terra crestada e renitente. A estranha cova era muito funda e encompridada de forma que era impossível ver onde iniciava, se é que tinha uma origem. Parecia que o cavoucador queria repartir o Planeta ao meio, coisa estranhosa.

Gritamos, solicitando-lhe atenção. Do fundo do buraco o esquisito homem, também um tanto surpreso com nossa aparição desanunciada, pediu que esperássemos. Veio subindo de vagarinho com cuidado de mestre que acarinha sua obra primorosa. Ao se aproximar, talvez enxergando a interrogação em nossos semblantes, em nossas bocas em forma de “O”, esclarece: - Estou construindo um rio. Não podíamos ficar mais boquiabertos, mas o homem, sem qualquer sinal que estivesse pilheriando, insiste. Sim, por aquele leito afundado e comprido haveria de passar um rio, para isso só faltaria água. E todos sabemos, não se fabrica água, esta vem do céu. As águas encheriam o rio que escorreria pujante até o oceano distanciado, carregando peixes e barcos. As gentes ribeirinhas agradecidas e esperançosas em suas vidas aguadas, festejariam felizes para sempre.

Era um sonhador tão seguro de seus sonhos que havia começado a cavoucar no terreno de sua própria casa. Sua família, estranhando aquela conduta insensata, o deixara, mas nem por isso ele desistira de seu onírico sonho, cada dia mais cavava e mais tinha certeza de seu propositório: um rio ali nasceria, era uma verdade cruenta. - Já posso ver um fiozinho de água que surge tímido lá no fundo, dizia-nos euforizado. O sujeito desafiava a ordem bem ordenada das coisas que a natureza havia criado. Não desistia, cavando dia e noite, só parando para dormir, havia transposto vales e colinas, vencido barrancos e ali estava, frajolento. Seu “rio” tomava forma, sua obra entrara nos arremates. Agora, cansado, sentado à borda, cuidava com orgulho de sua criação, achava que dobrou a natureza, sente-se o mais realizado dos viventes vivos.

Aquilo nos pareceu um projeto muito louco, não era factível trazer à vida um rio daquela forma. Construir rios! Onde já se viu tamanho despautério assim herético! Para nós era hora de deixar para trás aquela necedade e voltar sobre nossas passadas até onde não existem pessoas doidas daquele jeito desatinado. Não déramos ainda dois passos e o céu se fechou em nuvens enfarruscadas e raiventas. Começa uma tempestade torrencial que parece oriunda da liquefação do teto que chamamos de céu. A borrasca assoma com violência inusitada, relâmpagos relampejam açoitando a paisagem indefesa. Sem haver como nos abrigar da catadupa que arremeteu diluviando sobre todos e sobre tudo, ficamos parados vendo a enxurrada que se formava. Nos ajuntamos, a medo, tremendo, no derradeiro e final gesto dos que estão a mercê dos elementos exaltados, ameaçadores.

De repente, o homem nos aponta o valão que se enchia, as vagas furiosas encontraram aquele leito vago e o tornaram ancho em minutos mínimos. O escavador ergue os braços para cima como se querendo agradecer àquelas nuvens ubérrimas que lhe haviam completado a obra primeira. Corre desabridado em direção ao seu redivivo rio e se lança naquelas águas corcoveantes e maldosas. É a última vez que o vemos.

Em seguida, a virulenta chuvarada cessa e o curso d’água, já mais conformado ao leito que o contém, avança decidido e marulhante com fluidez oleosa em direção ao horizonte longínquo. O cavoucador havia construído um rio. JAIR, Floripa, 15/03/11.


13 comentários:

R. R. Barcellos disse...

- Ambicioso estudo literário, tomando Mia como paradigma mas sem abdicar de sua própria voz. O tema da loucura que se revela gênio, correndo em paralelo ao contraditório homem x natureza, parece pedir que você produza mais textos como essa pequena obra-prima. Abraços e parabéns.

Joel disse...

Jair. Ao contrário de Muidinga personagem que não lembra de sua infãncia no livro Terra Sonâmbula, de Mia Couto, vc não só lembra como dá detalhes do ocorrido. Isso é que é memória boa, me lembrou de detalhes que havia esquecido, obrigado.
Estranhosa, desanunciada, euforizado, frajolento. Meu Deus, será que estou diante de um novo Guimarães Rosa?
Abraço de com força,
Joel.

JAIRCLOPES disse...

Joel,
Obrigado pelas palavras gentis a respeito de meu texto à moda Mia Couto. Confesso, com certa vergonha, que só fui apresentado a esse fantástico escritor recentemente. Minha sobrinha Yraima mo recomendou. Cometi este pastiche inspirado nas palavras dele e acho que cheguei num texto literariamente aceitável sem ser plágio declarado. Abraços.

JAIRCLOPES disse...

Barcellos,
Obra prima, primorosa ou primeira é muito mais do que mereço, mas obrigado pelo estímulo. Toda vez que um escritor de talento como você reconhece algum mérito naquilo que produzo não posso deixar de sentir que, afinal, escrevi alguma coisa minimamente palatável. Obrigado.

Graça disse...

Meu amigo Jair,
Pa-ra-béns!!

Que bom que vim vê-lo hoje, meu querido, pois aqui está, certamente, o início de um novo e grande escritor brasileiro, muito embora, como você mesmo o disse, e inteligentemente, "tomando Mia Couto" como referência para esse seu texto.
Eu também o conheci no ano passado, e, por favor, não ria, mas eu pensei tratar-se de figura feminina...rs
Realmente, ele é fantástico, com obras publicadas em mais de vinte países, com um estilo entre realismo mágico e ficção...
Já li dele:
Terra Sonâmbula
e
O beijo da palavrinha
Amei.

E quanto a você, senhor dos tempos e dos relógios...tem tudo para ser um excelente ficcionista histórico, na minha modesta opinião.
Continue!
Graça Lacerda

20 de março de 2011 15:32

JAIRCLOPES disse...

Obrigado Graça, não sei agradecer à altura das pavavras de incentivo, contudo, entendo que você deve ter visto algum valor no texto e, por isso, deixou sua impressão. Não duvido que meus amigos e leitores são os melhores estímulos que existem para que eu continue tentando. Abraços.

Leonel disse...

Jair, não conheço a obra de Mia Couto, mas gostei muito do clima que você criou nesta surreal história!
O cara cavou seu próprio rio, contrariando a natureza e a lógica!
A vitória da insanidade esperançosa!
Parabéns, amigo!

J. Muraro disse...

Caro Jair, essa tua face ficcional quando se apresenta é de uma qualidade hiper super, parabéns. Ainda não li esse escritor com nome feminino, mas depois desse texto se torna uma obrigação descobrí-lo.

JAIRCLOPES disse...

Leonel,
As vezes tenho vontade de produzir algo "literário" e daí sai alguma coisa como este texto, fico feliz quando meus leitores são atingidos. Obrigado.

orvalho do ceu disse...

Olá,
Tenho visto que há uma certa dose de "loucura" ao construirmos nossos sonhos... sejam quais forem...
Abraços fraternos de paz

Yraima disse...

Tio, você realmente captou a "alma literária" do Mia Couto nesse texto! Adorei a leitura, parabéns!

Adri disse...

Eu sempre fui curioso em saber como os rios foram criados… :oP Bem teatral o conto..

Luci Joelma disse...

Jair!
A seu pedido,li "o cavoucador",fiquei surpresa com a quantidade de palavras e expressões,diria inéditas,e a aventura tão pura,cheia de esperança,coragem na lida de criar um rio... O texto remete o leitor ao comportamento de admiração pelo estilo e pela mensagem subliminar de ousar, acreditar e de transformar a própria natureza...Abraços.Luci