domingo, 12 de abril de 2009

COLEÓPTEROS




Coleópteros são insetos da ordem Coleoptera cuja característica mais notável é aquela carapaça lustrosa, muitas vezes bem colorida que cobre as asas delicadas, protegendo-as. Essa carapaça ou casquinha, chamada élitro, contribui para a estética do bicho e suas cores e padrões podem definir a espécie ou variedade a qual o inseto pertence. Todos os besouros, joaninhas, vaquinhas, carochinhas, gorgulhos, cascudinhos, escaravelhos, carunchos, brocas ou qualquer nome que se dê a esses insetos blindados, são coleópteros. Esses bichos são extremamente bem adaptados aos diversos climas e variedade de ambientes, de forma que vivem em desertos, planícies, matas ciliares, rios, lagos, praias, mangues, montanhas, florestas tropicais e temperadas, pântanos, campos e quaisquer outros nichos ecológicos imagináveis de todos os continentes com exceção da Antártida. Grande parte das pragas que atacam as lavouras são coleópteros, quer insetos adultos, quer suas larvas. Assim, nos acostumamos associar esses bichos com danos que eventualmente eles nos causam e os temos na conta de inimigos públicos, para dizer o menos. Entretanto, essa idéia de perversidade ligada ao inseto não se traduz em números, das 350 mil espécies conhecidas de coleópteros, apenas algumas dezenas, efetivamente, ocupam-se em atacar os cultivares desenvolvidos para alimentação humana, a esmagadora maioria é inocente, ou seja, trata-se de insetos inofensivos que só estão preocupados com a reprodução, alimentação e modus vivendi lá deles, sem tomar conhecimento que na superfície do planeta em que vivem, existe um tal de homo sapiens, seja lá o que isso for ou represente para sua própria existência. Outras tantas espécies podem ser bonitas, úteis, curiosas, muito grandes, muito pequenas, ignoradas, feias, bizarras, estranhas ou indiferentes, mas não molestam o ser humano. A Joaninha é um exemplo de animal bonito e útil – quem durante a infância não apreciou a beleza colorida da carapaça pintalgada de uma joaninha? As joaninhas são predadores no mundo dos insetos e alimentam-se de afídeos, moscas-da-fruta e outros tipos de insetos. Uma vez que a maioria das suas presas causa estragos às colheitas e plantações, as joaninhas, o mais das vezes, são consideradas benéficas pelos agricultores. O Besouro vira-bosta ou escaravelho é exemplo de animal útil também: é um bichinho de cerca de 4 centímetros de cor verde metálica ou marrom, que tem como característica o hábito de fazer uma bola de excrementos de animais, principalmente de cavalo, a qual costuma rolar até um local onde, junto com a fêmea, que põe ovos sobre a bola, enterra e deixa para as larvas que nascerem se alimentarem. Essa bolas servem de adubo para a terra onde se encontram. O Besouro bombardeiro é o típico animal curioso: Vivendo na superfície da terra este besouro passa a maior parte do tempo se escondendo entre raízes de árvores ou debaixo de pedras. Sendo um animal carnívoro, gosta de comer insetos de corpo mole e moluscos como lagartas e caracóis, sendo muito veloz para alcançar sua presa. O nome de bombardeiro se dá ao fato de que quando se sente ameaçado bombardeia, em qualquer direção em que se encontre seu predador, com o jato de um líquido que sai do seu abdome. Este líquido sai e provoca uma espécie de fumaça azulada produzindo um barulho alto assustando deste modo o inimigo. Esse líquido expelido sai fervendo e com um cheiro bastante forte e desagradável, podendo provocar queimaduras em outros insetos. Na pele humana só causa uma leve ardência. O Besouro gigante é bizzarro, não só é o maior besouro como também é o maior inseto do mundo. Além ser o maior inseto em peso, também é o maior invertebrado voador. Vive na Floresta Amazônica e se alimenta de material orgânico em decomposição no solo úmido. Pode chegar até a 22 centímetros de comprimento, é maior do que a mão de um homem adulto, e pesar cerca de 70 gramas. Em matéria de periculosidade também os coleópteros estão bem representados. O Besouro venenoso medindo de um dois centímetros vive no sul e centro da Europa, Sibéria e América do Norte. Começa a aparecer na Europa durante o verão. A fêmea põe seus ovos próximos às colméias, pois quando os filhotes nascem entram no ninho das abelhas. Lá dentro sofrem uma transformação, soltam a pele e viram larvas minúsculas que passam a se alimentar das larvas das abelhas. Além de exalar um cheiro muito forte, para que os predadores não se aproximem, eles soltam um veneno que queima a pele formando bolhas. Insetos considerados dos mais venenosos que existem. Outro coleóptero muito interessante é o Besouro Serrador, este bicho costuma fazer um corte bem definido em torno de um galho, o qual derruba e no qual a fêmea deposita ovos que, ao eclodirem, geram larvas que se alimentarão da madeira do galho. O Vaga-lume ou pirilampo também é um coleóptero dos mais estranhos. Com seu corpo frágil, cor de terra, a fêmea do vaga-lume pode somente arrastar-se no chão. Como ela faz para chamar a atenção dos machos alados que zumbem no ar quente da noite? Para compensar a falta de asas, desenvolveu algo muito especial: pequenas glândulas que segregam luciferina, uma substância que em determinadas condições se torna luminescente. A luz verde é o sinal para que o macho interrompa seu balé aéreo e venha juntar-se à fêmea. Essa diferenciação tão marcada entre os sexos é rara entre os coleópteros. Na maioria das espécies de pirilampos ambos os sexos são alados e luminescentes, e o macho atrai as fêmeas com suas luzes pisca-pisca. Este processo é chamado de "oxidação biológica" e permite que a energia química seja convertida em energia luminosa sem a produção de calor. As luzes têm diferentes cores, pois variam de espécie para espécie e nos insetos adultos facilitam a atração sexual. Os lampejos equivalem ao início do namoro: são códigos para atrair o sexo oposto. Mas a luminescência também pode ser usada como instrumento de defesa ou para atrair a caça. De todos os coleópteros o Vaga-lume talvez seja o mais exótico de todos. Bem, considerando esse multimilenar universo de seres pequenos, podemos facilmente escolher os coleópteros como os representantes mais formidáveis dos insetos pela sua espantosa variedade, pela diversidade de suas aptidões e pela beleza de seus coloridos. JAIR, Floripa, 12/04/09.

10 comentários:

Leonel disse...

Bah, Tchê, mas que baita barata naquela mão da figura !
O tal besouro serrador é também conhecido em alguns lugares como serra-pau e em outros como bicho-carpinteiro. Lá no velho Parque de Aeronáutica do Galeão, teve até uma questão, onde o proprietário de um automóvel queria ser indenizado por que os jardineiros teriam podado um galho um tanto pesado e o deixado cair sobre o capô do carro dele, que ficou amassado. O galho parecia mesmo ter sido cortado com uma serra, pois o corte era perfeito. Entretanto, constatou-se depois que o autor da "poda" fora o tal besouro ! O cara só se conveceu quando, em outro dia, o levaram até a uma árvore próxima e ele pode ver o bichinho em ação !

Leonel disse...

errata: conveceu=convenceu

JAIRCLOPES disse...

Leonel,
Sou testemunha que no estacionamento do Parque os besouros eram residentes habituais, muitas vezes fiquei admirando o trabalho deles naquelas árvores que faziam sombras para os carros. Abraços, JAIR.

Anônimo disse...

Dear Fariseu,
Gostei demais da tua incursão Entomologica, ta super jóia, eo como guri la de fora, so senti muito a ausencia do meu velho amigo o cascudo toca viola Colobothea sp.,como o gaucho chama o que voces apelidaram de besouro.Nos adoravamos aprisiona-los em uma caixa de fostofos com as antenas para fora, e ficar ouvindo o toque da viola. Ah, ja ia me esquecendo,se o nosso presidente, homen dado a literatura ler o teu blog, na parte onde falas do Cascudo(besouro) bombardeiro " alimenta-se de insetos moles como lagartas e caracois", ele certamente vai pensar que o caracol é um inseto.
Abração
Fabio CB Q MR VA AU

JAIRCLOPES disse...

Caro amigo Fábio,
Nada como ter uma leitor como você que, além de douto, é observador agudo e faz comentários. Já plotei o erro e o corrigi graças à sua alusão ao nosso também douto mandatário do país. Abraços, JAIR.

Andréia Pisone disse...

Oie...
Muito interessante o texto...
Principalmente a parte que fala do vaga-lume...
Jair, muito cuidado, admire o trabalho dos besouros com teu carro estacionado bem longe...hehehe
Beijos
Andréia Pisone

Davidson disse...

CARO JAIR... EU GOSTO MUITO DE LER SEU BLOG... SÃO ASSUNTOS DIVERSOS, INTERESSANTES E INTELIGENTES (NÃO SE TRATA DE RASGAÇÃO DE SEDA) PARABENS... CONTINUE... ABRAÇOS

Adri disse...

O vaga-lume e realmente muito interessante, quero mostrar a Laura, proxima vez que visitar o Brasil..

Juliano Sanches disse...

Puxa vida que bacana o seu blog hein! É talento feito verbo e carne. Gosto muito de cachorros, e suas palavras revelam lados desse animal que ainda não conhecia. Precisamos, assim como os índios e outras sociedades em contato permanente com a natureza, respeitar os nossos animais e as nossas plantas. São nossos amigos, partes de nós.

Abraços.

Bia disse...

Nossa esse texto vai me ajudar bastante em minha pesquisa (: