terça-feira, 28 de setembro de 2010

A vida secreta de Dakota Fanning




Às vezes nos deparamos com filmes que parecem ser feitos sob medida para este ou aquele ator, por exemplo, quem assistiu “A promessa” com Jack Nicholson, sabe do que estou falando. O filme lhe é ajustado como uma luva, é ocioso imaginar outro ator delirando com tanta convicção nos momentos finais daquele drama policial familiar.

Para espectador mais atento pode parecer que o autor da história, ao adaptá-la para o cinema, teve em mente determinado ator ou atriz; ou o diretor ao ler o roteiro “viu” exatamente quem deveria fazer aquele papel. Se assim não for, alguma outra coisa nos passa essa impressão.

Assistindo o excelente “A vida secreta das abelhas” com a emergente atriz Dakota Fanning, ocorreu-me isso: Filme e atriz foram feitos um para o outro, ou melhor, como a atriz veio primeiro o filme foi feito para ela, não há como fugir dessa idéia. É impossível imaginar outra atriz no papel principal. Dakota, nascida em 1994, é atriz desde o berço, por assim dizer, estreou em 2000 na série para tevê ER e não mais parou de crescer e transformar-se desde então.

Já no filme “Guerra dos mundos” (2005), onde fazia a filha Rachel de Tom Cruise, praticamente roubava a cena toda vez que aparecia. De lá para cá, seus personagens “lhe caem bem” e ela detona todas as vezes, contudo, é no “A vida secreta das abelhas” que a atriz mirim, finalmente se torna a encarnação de Jodie Foster (quem não lembra de “Taxi driver”?), ou seja, mostra o potencial que define a diferença entre “apenas um rostinho bonito” e uma grande atriz com personalidade e presença dominante, que certamente será.

Como disse no início, filme que parece ser feito para este ou aquele autor é, exatamente, o que a “A vida secreta...” lembra; foi feito para Dakota, é o número que ela calça. Uma personagem politicamente correta em meio a uma sociedade racista nos anos sessenta, a atriz adolescente sente-se num à vontade que pode surpreender o espectador desavisado. Quando Lily Owens (Dakota Fanning) beija Zachary Taylor (Tristan Wilds) a atriz mostra a que veio, ela consegue transpor a frágil ponte que une – e as vezes separa - pessoas de cores diferentes com uma tranquilidade e segurança que aumentam sua estatura de atriz, é o ponto alto de um desabrochar de quem será uma estrela destinada a dar muita satisfação a seus fãs. Sem macular a intenção do autor, poderíamos chamar a obra de uma revelação de “A vida secreta de Dakota Fanning”, considerando que Dakota, como uma crisálida saída do casulo, transformou-se finalmente numa incrível e fulgurante borboleta. JAIR, Floripa, 28/09/10.

6 comentários:

Leonel disse...

Jair, obrigado pela recomendação. Este filme já estava na minha lista dos que deviam ser assistidos. Agora, ganhou prioridade.
Abraços!

R. R. Barcellos disse...

- Não sou tão cinéfilo como você, Jair, ou como o Leonel, mas tenho em alta consideração as opiniões de vocês. E a ode do Jair não é a de um fã deslumbrado, mas de um conhecedor profundo da sétima arte. Já botei o filme na minha lista. Abraços.

Carlos disse...

Assisti "A vida secreta das abelhas" e concordo, essa Dakota se encaminha para ser a grande atriz desta década, quiçá do século. Belo comentário, parabéns.

Daniela disse...

Um filme maravilhoso e um show de atriz!! Fantástica, ela é de uma serenidade e sensibilidade especial!!

Milene disse...

Gostei dos filmes dessa garota, desde sempre. Assistirei A Vida Secreta das Abelhas com certeza, moço.

Você comenta com muita clareza, despertando nossa curiosidade sobre o "produto" comentado.

Moço, obrigada por ir no meu canto. Espero que tenha gostado e volte tantas vezes...

Beijos.

Camila Paulinelli - CentaurusMedical disse...

Olá,
Assisti também aqui nos EUA "The secret life of bees". Gostei muito do filme. A Dakota desempenha muito bem seu papel, como sempre acontece em todos os filmes. Neste filme tem a presença da famosa Alicia Keys, que tenta, mas ainda é bem melhor como cantora.
Beijos da nora,