segunda-feira, 5 de março de 2012

Índia





Meu filho mais novo, Adriano, mora na Austrália e gosta imensamente de viajar pelo mundo. Numa dessas viagens conheceu Megan Markin, garota canadense que também é uma espécie de globetrotter. Hoje vivem juntos em Wolloogong, cidade próxima a Sydney e continuam viajando para ver o que há lá fora, principalmente pela Ásia e Oceania. Desse modo, estiveram em Siri Lanka, Maldivas, Indonésia e, por último, na Índia.
Já escrevi sobre esse exótico país em uma ocasião e a ele me referi assim: “Estou lendo o excelente livro “Criação” de Gore Vidal onde autor faz um retrato riquíssimo da sociedade indiana com suas castas, etnias, milhares de deuses e inúmeras religiões, e assisti ao filme ganhador de três Oscars, “Quem quer ser milionário” o qual exibe, com chocante previsibilidade, os contrastes sociais da Índia, nação onde as diferenças entre a maioria miserável e analfabeta e a elites ricas e poderosas, são milenares, aviltantes, astronômicas e sem quaisquer possibilidades de mudança num futuro previsível”.
Pois bem, nunca lá estive, portanto vou valer-me das palavras de minha nora para dar uma pincelada sobre aquelas impressões chocantes que uma sociedade tão exótica causa nas mentes ocidentais. Como disse, Megan é canadense e devemos lembrar que o Canadá é um dos países de melhor qualidade de vida do Planeta, então ela deve ter sentido com mais vigor os contrastes culturais com os quais se deparou. Vejamos suas “impressões de viagem”, obviamente com olhar primeiromundista:
Era tarde quando chegamos a Nova Delhi, no momento em que desembarcamos, Adri e eu ficamos impressionados com a fumaça no ar. Perguntamos ao motorista de táxi se havia um grande incêndio na área. Ele falava Inglês, mas parecia muito intrigado com a nossa pergunta. Era difícil respirar, o ar denso e pesado,desagradável na garganta e tóxico para os pulmões. Na manhã seguinte abrimos a janela de nosso hotel sob uma neblina espessa que cobria a cidade e não se podia ver muito longe no horizonte. Uau ... isso não é fumaça, é a poluição!”
Ela prossegue sempre surpresa: “Do nosso quarto de hotel, podíamos ouvir o ruído constante das buzinas na rua abaixo de nós. "Você está pronto para isso?". Perguntamos um ao outro. Eu havia passado semanas me preparando mentalmente para esta viagem. Bem, eu ainda estava chocada. Fomos a pé. Estradas não pavimentadas, esgoto aberto, pilhas de lixo, olhares incisivos dos habitantes locais, seguindo-nos ... perseguindo-nos como se tivéssemos $$ escrito em nossas testas. Todo mundo quer um pedaço de você na Índia”.
Abordagem: “Era sempre assim: De que país você é? Quanto tempo você está na Índia? Bastante inocente, mas quanto mais tempo você está lá, infelizmente, mais você percebe que eles estão apenas tentando passar a conversa com intuito de achacá-lo! Triste, mas verdadeiro”. Pobreza:
“A pobreza também é suficiente para mantê-lo acordado à noite. Fizemos uma prática de compra de sacos de arroz para entregá-los às crianças e aos desabrigados. Eu também acondicionei minhas sobras após cada refeição e dei o alimento para beggers na rua. Uma mulher rasgou a embalagem e começou a devorá-lo no local. Muito, muito triste”.
Taj Mahal: “Depois da caótica Nova Déli, fomos para Agra, que abriga o Taj Mahal. Fiquei surpresa ao ver que Agra não é tão turística em tudo, mas o lar de ruas ainda mais estreitas e esgoto a céu aberto. Talvez fossem os sacos de m* jogados pelas ruas (sim, literalmente, sacos cheios de m* humana, os cheiros tão intensos que eu quase vomitei por duas vezes), mas quando chegamos a nossa "pousada tradicional indiana", que eu registrei a propósito, acabei tendo uma pequena depressão”. Hotel e pousada
: “Não havia água quente para limpar-nos de toda poeira e fumaça que se infiltra no seu cabelo e roupas. O cobertor na cama também era meio pegajoso e cheirava engraçado. Uma coisa é experimentar o caos, sujeira e imundície nas ruas, mas quando você não pode sentir-se limpo no seu próprio quarto é quando a coisa realmente começa a ficar inconcebível”. “Felizmente, o hotel reservado em Jaipur era muito mais agradável. Talvez essa seja a maneira mimada de falar, mas crescendo no mundo ocidental, estamos acostumados a certos luxos e pode ser difícil ficar sem. Eu viajei para vários outros países sem água quente, cama limpa, etc, mas desta vez, devido ao sentimento tão sujo simplesmente andando pelas ruas infestadas de esgoto, eu tive o suficiente. Acho que estou oficialmente me aposentando de albergues. A Índia fez isso para mim.”
Adaptação
: “Na parte alta da cidade, compras em bazares é super divertido, tudo é tão barato (apesar de termos sido roubados o tempo todo), a comida é deliciosa. Eu acho que só levou alguns dias para nos acostumarmos com a intensidade das ruas. Então, depois de um pouco mais de uma semana na Índia, estamos nos ajustando ao barulho constante e cheiros. Nada mais que fases, que você acabou de aprender a aceitar as ocorrências bizarras como se fossem normais. Isto é, até chegarmos em Varanasi”.
“Com mais de 3000 anos, Varanasi é, aparentemente, a cidade mais antiga do mundo. Também é considerada um dos locais mais sagrados na Índia, onde peregrinos hindus vêm para lavar uma vida de pecados no rio Ganges, ou ser cremado e obter "moksha" (libertação do ciclo de nascimento e morte).
O que realmente sobressai na minha mente sobre Varanasi são as ghats de cremação às margens do rio Ganges. Os hindus consideram auspicioso morrer em Varanasi, portanto, as ghats são piras onde os corpos são cremados em plena vista, antes de suas cinzas serem jogadas no Ganges.
Essas visões e cheiros permanecerão para sempre comigo. Você só pode ser cremado aqui se morrer de causas naturais. As mulheres grávidas e crianças são consideradas karma livre, e seus corpos são amarrados a uma grande pedra e afundados no rio. O mesmo acontece com as pessoas acometidas da lepra, seus corpos também são afundados no rio. Isso me perturbou bastante, considerando-se que centenas de pessoas se banham no rio ao lado destas ghats todas as manhãs. Tenhamos em mente que este rio é também onde Varanasi tira sua água potável. Oh, o esgoto da cidade também vai para o rio.
Aqueles que se suicidaram ou não morreram de causas naturais, não são cremados nas ghats, seus corpos são apenas jogados no rio. O mesmo vale para as pessoas pobres que não têm dinheiro para comprar madeira. Isso gerou muitas epidemias no passado, mas ainda parece ocorrer nos dias atuais.
Também é importante notar que algumas partes do corpo não queimam muito bem: tórax dos homens e quadris das mulheres. As partes não queimadas do corpo são jogadas no rio, junto com as cinzas. Aparentemente, é bastante comum ver restos humanos flutuando. Felizmente, nós não testemunhamos isso durante nossa estadia.
Há um hospital localizado na ghat, onde as pessoas esperam morrer para que possam ser cremados e atirados no rio sagrado. Nós contratamos um guia para nos dizer sobre as ghats em chamas, e enquanto ele falava, eu simplesmente não conseguia escapar da fumaça ... o cheiro, sobretudo. Molhei as minhas roupas e cabelos. Muito perturbador.
Eu precisava de um minuto para refletir sobre o que eu tinha acabado de ver, então Adri e eu caminhamos até a rua para escapar da fumaça dos corpos queimados e beber um lassi. Como estávamos absorvendo tudo o que tinha a vista, um desfile de pessoas portadoras de um corpo morto passou junto a loja lassi. Eles estão no seu caminho para queimá-lo no ghat. E os moradores estão acostumados com isso. É tudo uma questão de você crescer com e onde o seu "normal" está localizado no espectro, eu suponho.
Tudo por tudo, eu estou realmente feliz por ter feito essa viagem. A viagem estava longe de ser um feriado, e deixou-nos completamente exaustos; tanto mental quanto fisicamente. No entanto, o país é o lar de mais de um sexto da população do mundo, e eu acredito que qualquer pessoa seriamente interessada em culturas do mundo deve considerar, portanto, a ver a Índia. Ela realmente abre nossos olhos para o que mais há lá fora, eu não tinha idéia. Lonely Planet India deve ser descrito como "um assalto aos sentidos"... isso resume tudo”.

Como podemos perceber, a Índia não só é mais estranha do que achamos, ela é mais estranha do que podemos conceber na nossa pasteurizada mente ocidental. A Índia não é para amadores, é para iniciados. Traduzi e adaptei partes do relato, mas para ler o texto original é só acessar o blogue: http://doukdownunder.blogspot.com/
JAIR, Floripa, 02/03/12.

13 comentários:

Camila Paulinelli disse...

Olá,
Muito bem contada a experiência. Assim como foi ressaltado, aos olhos de uma pessoa oriunda do primeiro mundo as diferenças culturais são ainda mais gritantes. Creio que para nos brasileiros seria chocante, porém numa escala menor. Parabéns para a autora e para você por ter traduzido o texto.

Leonel disse...

Nos documentários dos canais de TV por assinatura eu já tinha idéia de algumas coisas citadas.
Mas, a crueza da narrativa mostra coisas que não se pode perceber pela TV, como a poluição do ar, os cheiros e o desconforto nas pousadas...
E este mesmo país, onde pessoas vivem assim, fabrica jatos de combate e tem seu próprio arsenal de bombas nucleares!
Por aí se pode ver quais são as prioridades dos governos locais!
Faz o Brasil parecer aceitável!
Abraços, Jair!

R. R. Barcellos disse...

A cultura de qualquer povo tem seus pontos vulneráveis ao ataque de políticos corruptos e "empresários" gananciosos. E ali onde Ghandi lutou contra tais mazelas essa vulnerabilidade é patente.
Abraços.

Ioná Gandolfi disse...

ADOREI PRIMA! A VIAGEM DO ADRIANO PARA A ÍNDIA FOI DEMAIS! PARABÉNS PELO BLOG, VOU AJUDAR A DIVULGAR, BEIJOS.

Reflexos Espelhando Espalhando Amig disse...

Ei!
Que lindo espaço, ja estamos te seguindo para não nos perdermos.
Esperamos que nos viste.
Bjs

Adri disse...

Uma viajem para a India nao sao ferias, mas sim uma experiencia que tranforma a vida do ser…

Gostei dos comentarios e a traducao ficou excelente!!

Um abracao do Adri

Volúzia disse...

Texto por demais interessante. Sinceramente, eu já não tinha grande vontade de conhecer a Índia, agora mesmo é que risco do mapa sempre esse país "engraçado". Vade retro!!

Tais Luso disse...

Jair:

Já tinha lido bastante sobre a Índia, mas este relato está ótimo. Coloquei no Google a cidade de Varanasi, quis vê-la novamente acompanhada de seu texto que está maravilhoso. O rio Ganges, o rio sagrado!! Que coisa aquilo... O que vai para o rio não dá para se pensar.
Também vi na televisão um documentário, mas seu post, narrado assim, só enriqueceu.
Uma sugestão que deixo pra você pensar: seus textos são tão tão elucidativos... seria ótimo postar algumas fotos! Parabéns por esta postagem.

Abraços, amigo.
Tais

Attico CHASSOT disse...

Meu caro Jair,
se em 'Você quer ser milionário' a Índia se distanciou das minhas opções turísticas, com o relato 'cheiroso' da Mengan, muito provavelmente deletei tal opção.
Um texto muito bem elucidativo,
attico chassot

Megan Markin disse...

Oi Jair!

Adri traduziu para mim sua introdução a meu texto, WOW! muito obrigada por postá-lo na sua página! (e a introdução foi muito bem escrita, devo dizer!)
Enfim, eu estou lisonjeada de novo, e graças a "Tradutor Google", eu sou capaz de ler as suas outras entradas de blog na sua página.

Beijos, Megan.

Luci Joelma disse...

Muito interessante o relato da viagem! Interessante pelo fato dos viajantes terem olhos críticos para fazerem a leitura da realidade social,politica e cultural daquele povo.
O interessante é que estes fatos são milenares,não há profundas transformações nas camadas populares.Acho que os marajás são sádicos,ou precisam dessa pobreza sob seus olhos ,para se garantirem como os tais num status vazio de sentido, para quem os contemplam sob a ótica da tirania,hipocrisia ou coisa que o valha. Luci.

Professor Alexandre disse...

Postagem muito interessante e informativa...
Aprendi bastante!

Parabéns meu amigo...

Anônimo disse...

Costa Matos,
Adorei, como falamos aqui no meu pais, tri-legal.
abração
Fabio