sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Efeito borboleta



Na teoria do caos, o efeito borboleta é a dependência do todo (do universo considerado) das condições iniciais, onde uma pequena mudança em um lugar de um sistema qualquer pode resultar em grandes diferenças num estado posterior desse sistema. Ou seja, metaforicamente, a presença ou ausência de uma borboleta batendo suas asas pode conduzir à criação ou não de um furacão em outro lugar do Planeta.
Embora o efeito borboleta possa parecer um fenômeno incomum e esotérico, é explicado com eventos muito simples: por exemplo, uma bola colocada no topo de uma colina pode rolar em qualquer direção dos vales abaixo dependendo de pequenas diferenças na posição inicial. O termo "borboleta" do efeito em si está relacionado com o trabalho meteorológico de Edward Lorenz , que popularizou o termo.
Esse efeito é muito comum nas histórias de ficção científica, ao apresentar cenários que envolvem viagem no tempo em que acontecimentos de um enredo se afastam do eixo principal por causa de um evento aparentemente menor, daí resultando em dois tipos de resultados alternativos em geral chamados de universo paralelo. Na trilogia “De volta para o futuro” foi genialmente explorado esse efeito quando a posse de um almanaque com os resultados dos jogos foi usado pelo personagem Biff para enriquecer e viver um futuro alternativo.
Tudo bem, a teoria e a ficção se valem com propriedade desse efeito, mas como fica a vida real com relação a esse fenômeno? Nós, pessoas comuns, não costumamos pensar sobre ele, contudo, os resultados do efeito que atua nas coisas físicas como meteorologia e geologia são fáceis de verificar. Por exemplo, há poucas semanas atrás houve anormais fortes ventos em Guarulhos de forma a impedir pousos e decolagens daquele aeroporto. Até para o leigo é fácil concluir que a causa dos ventos deve ter sido alguma anormalidade em algum ponto do Planeta, a qual não percebemos e não conhecemos, mas, com certeza, houve. O efeito borboleta fez com que ventos fortes fossem o resultado de alguma “lambança” natural ou não, acontecida em outro lugar. Por outro lado sabemos que o vulcão chileno Puyehue entrou em erupção recentemente, então, deve existir uma razão para isso não é mesmo? Não importa se for colisão de placas tectônicas, terremotos ou fissura na crosta terrestre, qualquer que seja o motivo, este EXISTE e está causando a erupção do vulcão. Ainda mais, vôos na Nova Zelândia foram cancelados porque o vulcão expeliu cinzas na atmosfera. Exemplo perfeito do efeito, a “borboleta” Puyehue bateu as asas no Chile e impediu voos no outro lado do mundo. Assim, o efeito borboleta no âmbito espacial, embora nem sempre passível de ser detectado, é uma realidade. Mas, e o efeito no sentido temporal existe e pode ser percebido? A resposta é sim.
Vejamos, a civilização como a conhecemos é fruto das descobertas, invenções, adaptações e conhecimentos do passado. Nada do que existe no presente está desvinculado das conquistas do passado, nossa realidade está atrelada indissoluvelmente ao que o homem construiu ou desenvolveu na marcha de conquista do Planeta no passado. Num âmbito mais pessoal por assim dizer, nossa inteligência, nosso organismo e nosso potencial de raciocínio, estão relacionados com a seleção genética de nossos antepassados e nosso comportamento cotidiano é fruto de nossa educação e do ambiente familiar no qual fomos criados. Já pensou por que você não joga lixo na rua? É simples, seus pais sempre diziam que era falta de educação, então esse evento passado condicionou seu comportamento presente. Efeito borboleta temporal puro, não é mesmo? Somos hoje o que nossa formação no passado nos condicionou a ser, até quando “escolhemos” ser assim ou assado estamos refletindo aquilo que formou nossa personalidade, nossas características pessoais. Ninguém nem nada neste Planeta está isento de sofrer efeito borboleta em todos os momentos e em todas as ações de sua vida. JAIR, Floripa, 05/08/11.

15 comentários:

Professor Alexandre disse...

Ótimo texto nobre colega... Sempre acreditei que quando uma borboleta bate suas asas a beira de uma praia brasileira, é possível que ocorra um tsunami na Indonésia...
Quero lhe fazer uma proposta, o que você acha de fazermos uma parceria? Ja incluí seu "ótimo" blog na minha lista de blogs recomendados, para que meus visitantes tenham acesso aos post's de alta qualidade que escreves... Se quiseres incluir o meu (http://alexandrehistoria.blogspot.com/) entre os teus recomendados, fico feliz e agradecido.

Abraços...
Vida Longa e Próspera!

Marcos Abraão disse...

Olá Jair! Lendo seu texto me lembrei de um filme que re-assisti recentemente "The Time Machine" (2002).
O que achei interessante nessa versão nova do filme foi a reflexão sobre a mudança nos fatos passados, que como você citou, afetam o futuro com consequências diferentes. No filme o personagem é impedido de mudar uma fatalidade e ele viaja no tempo à procura de uma resposta pra essa questão. Não vou contar mais detalhes para aqueles que não assistiram, mas recomendo o filme. =)

Até mais!

Luci disse...

Muito interessante o texto...Generalizando, trazendo o tema para a política mundial,com a queda das bolsas,demissão de ministros,queda de ditadores...faz pensar que o nível de consciência dos humanos tem batido de frente com os usurpadores de plantão...Rsrsrs,que aprendizagem seria hein? um efeito dominó...Luci

Camila Paulinelli - Centaurus Medical LLC disse...

Olá, acho muito interessante este tema. Vários filmes abordaram este assunto, inclusive um chamado "Efeito Borbeta" que achei espetacular com o ator Ashton Kutcher. Sem contar na trilogia "De Volta para o Futuro", muito bem colocado por você. Sempre refleti na possibilidade de poder voltar num ponto particular do passado e mudar alguma coisa. Eh tão complexo, o efeito eh tão abrangente que já me tomou varias horas pra arredondar tudo. No final achei que gostaria mesmo eh de ter mantido a natureza saudável. Beijos da nora,

Attico CHASSOT disse...

Meu caro Jair,
obrigado pela maneira didática que apresenta algo que envolve conhecimentos avançados de termodinâmica (entropia, teoria do caos...).
Há em tudo isso uma lição. Temos que cuidar mais do Planeta, attico chassot

Cícero disse...

Certa vez sonhei que voltava no passado e no sonho tentava mudar o curso da minha vida, tudo em vão não consegui mudar uma virgula da história.

J. Muraro disse...

Sempre achei que o efeito borboleta é muito mais que simples expressão idiomática, é, de fato, uma síndrome que se bem conhecida pode explicar praticamente tudo que acontece. Gostei do texto, bem escrito, conciso e claro.

Leonel disse...

Jair, eu acredito que tudo o que ocorre em qualquer parte tem alguma influência no desdobramento dos acontecimentos.
Pode ser até um evento aparentemente insignificante, mas, no decorrer do tempo, suas consequências podem se tornar sensíveis.
Mas é claro que não perceberemos, pois não temos como comparar o que aconteceu com o que poderia ter acontecido sem o tal evento!
As hipóteses que não aconteceram ficam apenas como...hipóteses!
O unico presente que existe como consequência do nosso passado é este que estamos vivendo!
Mas, você nunca deixa mesmo de esmiuçar esse tema, né?
E com razão! É fascinante e frustrante ao mesmo tempo!
Abraços, amigo!

Domartello disse...

Olá Jair, parabéns pelo texto...
Minha preocupação é o efeito borboleta da violência juvenil de hoje.
Abraço...
Carlos.

R. R. Barcellos disse...

O "efeito borboleta" é visível em situações-limite, onde o equilíbrio estável se aproxima perigosamente do instável, como um cone que é inclinado mais e mais. E nós, seres humanos, somos mestres no criar ou provocar tais situações, principalmente nos inter-relacionamentos sociais.
Excelente texto. Abraços.

Laura Lopes disse...

Very interesting piece Jair...From a humanistic perspective i can't help but think of the movie "Run Lola Run", where the Butterfly Effect is represented in human behaviour. There, minor and almost sub-conscious actions in everyday life can be seen to have gross and wide spread effects upon the future. For example, the fact that Lola bumps into someone instead of passing by may lead to a painful death after suffering paralysis. As such, seemingly inconsequential actions can be seen to have drastic long-term results.
Much love, Laura

JAIRCLOPES disse...

O texto abaixo é uma tradução aproximada do comentário da Laura, acima.
"Jair texto muito interessante ... A partir de uma perspectiva humanista, que eu não posso deixar de pensar, no filme "Run Lola Run", onde o Efeito Borboleta é representado no comportamento humano. Lá, ações menores e quase sub-conscientes na vida cotidiana podem ter efeitos graves e ampla disseminação sobre o futuro. Por exemplo, o fato de que Lola esbarre em alguém em vez de passar por ela, pode levar a uma morte dolorosa, depois de sofrer paralisia. Como tal, ações aparentemente inconsequentes podem ter drásticos resultados a longo prazo".
Muito amor, Laura

Tais Luso disse...

Acho que tudo em nossas vidas oriunda do efeito borboleta. Creio mesmo no 'popular': o que se planta, se colhe. Isso falando nas relações humanas. Mas penso que tudo o mais seja efeito de alguma coisa; o mal gera o mal, o bem gera o bem; o que acontece num lugar, o efeito se dá bem adiante. E vale pra tudo. Daí, tantos cuidados a serem tomados em tudo o que se faz, em tudo o que se 'provoca'.

Gostei muito de seu texto, jair.
Abraços
Tais Luso

luza disse...

Olá. Obrigada por passar no meu blog.
Acredito que na vida aprendemos constantemente para que possamos ser flexíveis em nossas ações e pensamentos, para "boboletearmos" pela vida...Abraços.Luiza

António Gallobar disse...

Olá amigo Jair

Tenho andando ausente, mas sempre que posso, vou dando uma espreitadela, os seus textos, cuidados reflectem a sua preocupação de dar e transmitir conhecimentos, é uma nobre causa, na qual me sinto envolvido, particularmente a este em concreto, não posso estar mais de acordo, acho que se não se importar, irei integralmente postar nos textos seleccionados por mim, com as devidas referencias ao autor. Um grande abraço e muitos parabens

Gallobar