segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

O Lápis


No tempo de minha escola primária, como eram chamados os primeiros quatro anos do ensino fundamental, o uso do lápis para rascunhos das primeiras letras era obrigatório e necessário. Impensável colocar na mão da criança de sete anos, idade mínima para admissão à escola, uma daquelas canetas-tinteiro que ao menor descuido vazava tinta borrando cadernos e roupas; ou, pior ainda, canetas “de pena”, objetos de madeira com penas substituíveis que requeriam um tinteiro, reservatório potencialmente desastroso para o uniforme dos alunos. Diga-se, a maioria das escolas primárias adotava guarda-pós brancos como uniforme padrão, portanto, uma lambança de tinta nesse caso era uma pequena catástrofe, até porque as mães se descabelavam para manter apresentáveis os trajes formais de seus rebentos.

Pois bem, o lápis era, então, mais do que apenas um acessório próprio para rabiscar as difíceis linhas que formavam letras, que juntas umas as outras de certa maneira, formariam sílabas e palavras, o lápis era a chave mágica que abria o fascinante mundo da alfabetização. Comparável nos dias atuais com o teclado do computador que dá acesso ao mundo da internet, por exemplo. Cilindro de madeira com recheio de grafite, objeto de simplicidade franciscana e barato, permitia que crianças, das mais humildes às mais abastadas, fizessem as primeiras incursões no incrível universo da palavra escrita. Era ele que transmitia ao papel o resultado das intrincadas e recentes conexões dos neurônios, adquiridas pela visão dos símbolos no quadro-negro, e pela audição quando a professora Lair Scheröeder pronunciava os fonemas. Crianças canhestras que éramos, mordíamos a língua enquanto, com esforço visível, comprimíamos a grafite contra o papel muitas vezes roto de tanto ser apagado, porquanto ao modesto lápis dois acessórios eram indispensáveis: uma borracha e um apontador. Nenhum aluno poderia prescindir da borracha macia que fazia desaparecer os enganos abundantes nessas primeiras experiências literárias; nem do apontador menos ou mais sofisticado que tinha a finalidade de permitir que a grafite sobrasse na extremidade do cilindro de madeira de forma a poder atritá-la no papel deixando um rastro no feitio de linha; ainda que o preço do apontamento regular fosse encurtar o lápis até sua quase extinção natural e previsível. Lápis muito curto acabava sendo substituído por um novo, mas essa substituição se dava com maior frequência quanto maior fosse o poder aquisitivo do usuário, alunos pobres usavam-no até quase o fim enquanto os mais ricos faziam-no tão logo o lápis se desgastasse um pouco apenas.

Ao companheiro lápis, tantas vezes mordido na extremidade rombuda com certo nervosismo por não sabermos a resposta; tantas vezes deixado cair do tampo inclinado da carteira e, por isso, ter quebrado a grafite, tendo que ser apontado mais amiúde de modo a consumir-se mais cedo; tantas vezes usado de forma inapropriada como coçador de ouvido ou estilete para furar papel, meus mais sinceros agradecimentos e minha homenagem por tudo que ele representa para a cultura da humanidade, construção da civilização e tudo o que fez por mim. Ao humilde lápis lamento não ser bafejado pelas graças da musa para poder festejá-lo com rimas e métrica como de fato tanto merece. JAIR, Floripa, 03/02/11.

9 comentários:

Leonel disse...

Jair, mais um capítulo desta série "sessão nostalgia" com a qual você vem nos brindando!
Era exatamente como você contou. Só faltou dizer aos mais jovens que naquela época, ainda não tinha sido inventada a caneta esferográfica, e as únicas opções eram as canetas-tinteiro e o lápis, tema da sua narrativa. A presença das canetas na sala, em dias de provas finais, eram marcadas por esguichos de tinta, onde as canetas viravam "armas" e os uniformes ficavam inutilizados!
O lápis realmente é um utensilho quase à prova de panes.
Frase do nosso mestre Barcellos: "O melhor computador é um lápis e um papel!" Principalmente quando o usuário é um Jair ou um Barcellos!
Abraços, amigo, e continue a resgatar essas coisas do nosso TEMPO!

o mar e a brisa do prazer de aprender disse...

Jair, o lápis ainda continua o seu reinado ,os alunos adoram fazer as atividades utilizando o lápis.
Que belo post e...confesso que eu amo utilizar um lápis para redigir ou corrigir juntamente com a minha auxiliar a boa borracha. Bjs

Daniela Pereira disse...

criei um novo blogue sobre vida saudável ainda só estou no inicio mas se quiseres dá uma vista de olhos :) http://saudeemvicio.blogspot.com/ (ainda só falei de uma vida activa, receitas e dicas para uma alimentação mais saudável, mas espero conseguir falar de muitos outros temas úteis).
beijocas

J. Muraro disse...

Picasso dizia: "A perfeição está na simplicidade". Assim considerando, existe coisa mais simples que um lápis? Existe coisa mais perfeita? Parabéns o texto está impecável e a homenagem é justa. Viva o Lápis!

R. R. Barcellos disse...

- No pequeno espaço livre à frente do meu monitor há sempre um lápis e uma folha de papel; lendo seu belo texto, notei que haviam sumido! Mas antes que o pânico me dominasse, localizei-os numa mesinha lateral, para onde os haviam enviado os percalços da festa do fim-de-semana... que alívio!
- Abraços, amigão.

Marly disse...

Oi,Bran! Estou na Alemanha e só volto em maio p o Brasil. Um beijo e tenho lido as crônicas do Jair e assim que voltar quero os livros,tá? Gosto de ler o que ele escreve.Leitura leve,interessante, tudo muito bem escrito! "Viajo" no Blog... Beijos,amiga!

Maria Emilia Xavier disse...

Belo tema que saudoso fica para quem o esqueceu e só usa caneta "BIC" - agora tem muitas outras marcas.Eu só uso lápis, borracha e apontador para escrever mesmo no trabalho. Caneta? Só para assinar documentos e lógico, meu "ponto", no trabalho. Sua homenagem ficou linda e ele bem merece.

Anônimo disse...

Legal, eu tambem so vim a usar a tal de caneta, na epoca dita de tinta seca, no 5ºano primario, até la so lapis. Nos States tambem so se usa lapis. Seria bom que nos concientizassemos, e voltassemos a usar este querido instrumento.
Abração
Fabio

PEDAGOARTE disse...

Pois é Jair, o lápis não está obsoleto meu amigo!
Além do seu uso original - a grafia - suas outras funções são tão necessárias quanto. Usam-no como "palito de cabelo", marca páginas, e quem nunca roeu seu lápis "que atire a primeira pedra"!
Na composição "O Caderno", bem que Toquinho poderia ter se referido ao lápis ao dizer: "Sou eu que vou seguir você
Do primeiro rabisco até o be-a-ba..."
Já sou sua "cumplice" também amigo! Bem vindo ao PEDAGOARTE!