sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

AS MAIS BELAS FLORES DO PLANETA



Durante alguns anos, quando morei em casa térrea, fui um apaixonado colecionador de orquídeas. Montei um espaço apropriado em meu quintal ao qual dei o nome de “Orquidário Dedo Verde” em homenagem ao livro “O menino do dedo verde”, de Maurice Druon. Li tudo que podia sobre essas fascinantes plantas, visitei orquidários e exposições, frequentei sociedades orquidófilas, comprei, colhi, plantei, reproduzi, importei e cuidei dessas que são as mais belas flores que a natureza já produziu. Confesso que, por um bom tempo, mergulhei de corpo e alma no hobby, fui um orquidófilo dedicado e imerso até o pescoço na botânica e, especialmente, na família Orchidae, que é onde estão classificadas as orquídeas.
A Orchidae é, provavelmente, a maior família das angiosperma. Lembrando que angiospermas são plantas que produzem sementes em um ovário, como as rosas, por exemplo. A ciência já descreveu, até o momento, 25 mil espécies de orquídeas, sendo atribuída aos orquidófilos a produção da metade desse número, por hibridização.

Vanilla subindo na hospedeira

Mas, o que é uma orquídea? É uma planta superior – que possui raízes, caule, folhas, flores e sementes – distribuída por todos os continentes à exceção da Antártida. Possui flores que além de três pétalas geralmente separadas e coloridas, têm três sépalas, também coloridas, que fazem parte do conjunto. E é essa flor, geralmente muito atraente, que define a planta, TODAS as orquídeas têm flores com estas características.

Flores da Vanilla

A variedade de tamanho da planta, as formas e as cores das flores e os habitats onde elas são encontradas, fascinam o homem desde que este descobriu a existência de tão bela criatura. Existem plantas de mais de três metros de altura como a Selenipedium; com vinte metros ou mais como a Vanilla, – de cujas sementes se extrai o produto baunilha usado na culinária e fabricação de doces - a qual forma uma espécie de cipó que se agarra às arvores; e a Ornithocephalus, por exemplo, que não passa de 5 centímetros a planta, com flores de seis milímetros. Em relação ao ambiente que as orquídeas vivem, pode-se classificá-las em três grupos, embora algumas espécies apareçam em mais de um grupo, às vezes: epífitas ou dendrobatas, são as que nascem em árvores; terrestres, no chão, que pode ser areia, humus ou terra; e as rupestres que se desenvolvem em pedras. Todas são necrófitas, ou seja, suas raízes alimentam-se de matéria morta, não procedendo, portanto, o hábito popular de chamá-las “parasitas”, pois estas são uma família de plantas que prejudicam seu hospedeiro alimentando-se de sua seiva.
Dentro desse universo magnífico e grandioso, fiquei fascinado pelas orquídeas exóticas e pelas mini-orquídeas, e a elas dediquei meus estudos mais profundos, meu tempo mais precioso e minhas buscas mais tenazes.


Dockrillia cucumerina, a jóia da corôa de qualquer orquidário
Nas minhas pesquisas livrescas descobri aquela que a maioria dos orquidófilos considera a mais estranha do mundo, e, para meu gáudio, uma das menores também: Dockrillia cucumerina, anteriormente catalogada como Dendobrium cucumerinum, também chamada “orquídea pepino” porque suas “folhas” têm a forma dessa cucurbitácea. Lembrando que as cucurbitáceas são todas as abóboras, melões, melancias, pepinos e semelhantes. Pois bem, essa raridade só vive numa certa porção de floresta tropical no nordeste da Austrália. Que fazer para consegui-la? A solução é viajar para a Austrália, é claro! Foi o que fiz. Aliei visita a meu filho que, por coincidência, morava no nordeste australiano, ao meu desejo de possuir tal excentricidade, viajei para lá e consegui em um orquidário, quatro mudas da cucumerina, foi o ápice de minha busca, foi como encontrar a pedra filosofal para os alquimistas.


A delicadíssima Ornithocephalus iridifolius
Ainda bem que não é só viajando para o outro lado do mundo que se consegue essas rarezas. Uma das mais fascinantes e estrambóticas orquídeas é a que tem o estranho nome de Ornithocephalus iridifolius, porque suas pequenas flores de seis milímetros têm semelhança extraordinária com a cabeça de um passarinho, daí o ornithocephalus do nome. Pois é, a literatura coloca algumas espécies dessa fugidia criatura no sul do Brasil, sem especificar o tipo de floresta, a preferência climática ou a altitude que as plantas são encontradas. Acontece que eu morava no norte da ilha de Santa Catarina onde existe um trecho bem conservado de mata atlântica, local no qual eu fazia caminhadas ecológicas, buscava material para esculturas e apreciava as inúmeras orquídeas que lá abundam. Numa dessas incursões encontrei a iridifolius em toda sua pequenez e beleza, em um galho caído, praticamente no quintal de minha casa. Trouxe para minha coleção duas mudas e deixei lá mais de uma dúzia de exemplares. Colecionar sim, depredar a natureza não.
Como nem tudo acontece como a gente planeja ou deseja, um dia mudei de casa térrea para apartamento e minhas orquídeas tiveram que ser realocadas para o sítio de uma amiga, onde ora se encontram felizes e saudáveis como merecem estar. JAIR, Floripa, 25/02/10.

12 comentários:

C. Maluche disse...

Podemos combinar uma caminhada no norte da ilha qualquer dia. Obrigada pela aula, as variedades de orquídeas são fascinantes.

José Antonio disse...

Fico muito grato por seguir o meu blog. já dei uma olhadela no seu e agradeço sempre que alguém tente ajudar a cuidar destas beldades pois são um encanto ...Um grande abraço José Almeida...

Espaço do João disse...

Meu caro amigo.
Sempre adorei orquídias . Desde muito novo fui criado no meio delas em que domingos e, dias santos ou feriados eram dedicados a elas e ás abelhas. Fui criado com meus padrinhos que tinha cerca de 200 vasos de várias espécies de orquídias bem como abelhas. Acontece que esses bichinhos ainda moram dentro de mim. Infelizmente onde vivo, o clima é agreste e, por impossibilidades financeiras não posso criá-las conforme o clima a que elas merecem. Fico muito grato pela visita ao meu espaço e, ainda hoje farei algumas postagens de orqídias. Um grande abraço de consideração João Sousa.

orchisrafa disse...

Muito agradecido pelo seguimento do meu blog.
Realmente estas plantas são qualquer coisa de extraordinário, por vezes capazes de nos levar a verdadeiras loucuras.
No seu texto só não concordo com uma coisa: Dend.cucumerinum estranho ? que me diz das Chiloschistas ? Não tenho nem uma nem outra mas lá chegarei ? Mais facilmente ás Chiloschistas que ao Dend. infelizmente para mim eheheheh

Daniela disse...

Oi Jair muito obrigada, adorei seu blog!!! Daniela

Entrevidas disse...

Oi Jair, fico feliz em saber que é mais um amante das orquideas. Gostei muito do seu blog, sei que vou apreder muito com ele. Abraço

R. R. Barcellos disse...

Mais uma bela matéria, e mais um talento insuspeitado...
Você, meu amigo, mereceria o epíteto de orquidômano, se me for permitido contribuir com um neologismo para o seu Dicionário. Eu também gosto de orquídeas - quem não gosta? - mas fico satisfeito quando posso admirar alguns exemplares adotados pela minha querida Maria Helena. Acho que são híbridos de vira-lata com cachorro de rua...

Augusto Ouriques Lopes disse...

Ótimo texto senhor Jair. Uma leitura informativa sem ser chata.

Adri disse...

A Cucumerina sim e bem diferente....

Lima Rosa - Oficina de Arte disse...

Parabéns pelo seu blog!
Visito este blog e sempre fico admirado com seus trabalhos fotográficos e belos comentários. Gosto de seu estilo.
Quando quiser faça-me uma visita.
Abraço.
Humberto Rosa.

http://www.artviralatas.blogspot.com

Nand disse...

Post muito interessante.
Gostei muito de passar por aqui.

Cump.
Nand

Mariana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.