sábado, 20 de novembro de 2010

A vida secreta das palavras


Para começar, surpreendeu-me que o filme seja espanhol, não estou acostumado assistir bons filmes espanhóis a não ser Almodóvar. Escrito e dirigido por Isabel Coixet, profícua diretora de séries da TV espanhola e com passagem marcante pelo cinema. Tem Tim Robbins numa atuação limitada pelo personagem que está temporariamente cego e acamado, mas com presença bem expressiva e convincente. A canadense Sarah Polley, da qual só lembro de, “As aventuras do Barão Muchausen”, de 1988, está na área desde 1985 e é uma atriz fantástica. Considerando que todos os demais atores do elenco, com exceção de Tim Robbins, apenas marcam presença, a personagem Hannah/Cora de Sarah, carrega o piano e se sai muito bem.




Hannah tem 30 anos, é extremamente reservada e trabalha numa indústria de embalagens plásticas onde não se relaciona com ninguém. Depois de seu chefe insistir muito ela vai passar férias num modesto povoado costeiro, em frente a uma plataforma petrolífera. Lá, hospedada em pequeno hotel, toma conhecimento de um grave acidente na plataforma que a faz lembrar-se que é (já foi) enfermeira. Contrariando sua introversão, apresenta-se para cuidar de um acidentado Josef (Tim Robbins), que, devido à gravidade de seus ferimentos, não pode ser removido e está temporariamente privado da visão. Na plataforma, agora semi desativada por causa do acidente, existe um mini cosmo formado por vários homens, cada um com uma personalidade marcante.

Não é preciso lembrar que num espaço limitado como a plataforma, não há como esperar muito movimento, muita ação, portanto, o desenrolar do enredo fica por conta do jeitão com o qual cada ator conduz seu personagem. Hannah, ao desembarcar do helicóptero que a transportou, tem um brevíssimo encontro com médico que até então cuidou do paciente Josef, já que o médico deixa a plataforma no mesmo helicóptero que a trouxe. Neste encontro vemos o primeiro laivo da profunda dor que vai pela alma de Hannah. Ao iniciar os cuidados ao paciente, nota-se que ambos têm cicatrizes na alma, e ele, muito mais falante, tenta ser galante tenta um aproximação com a enfermeira, embora esta, no princípio, se recuse a responder qualquer pergunta pessoal. Parece um duelo em que Josef quer saber tudo dela, enquanto ela nada responde, se limita a ações puramente profissionais. Hannah descobre no seu quarto o telefone celular onde tem uma mensagem de uma mulher que está lendo “Confissões de uma freira portuguesa”, e que se diz apaixonada por Josef que lhe deu o livro.

Os dias passam, outros trabalhadores da plataforma mostram suas personalidades, o biólogo, o cozinheiro, o chefe, o zelador, o que cuida das máquinas, mas, o que conta é que Hannah vai rompendo o silêncio aos poucos, vai abrindo seu passado com pequenos gestos, monossílabos e atos os quais não passam despercebidos pelos outros, principalmente Josef, que também mostra que os esqueletos no seu armário o incomodam. As coisas vão se encaixando, de modo que ambos se vêem confessando suas dores e seus pesares, o passado que os acompanha é pesado e eles acabam, finalmente, abrindo-se um ao outro. Desnecessário dizer que encontram-se nas suas angústias e fazem uma catarse que os redime. Só que Hannah se recusa a assumir que gosta de Josef e, ao fim do tratamento, este é removido para um hospital e Hannah volta à sua vidinha insípida na fábrica.

Na verdade, o filme não é uma história de amor, é uma história de vidas despedaçadas por catástrofes (no caso de Hannah, guerra) causadas pelo próprio homem, e egoísmos que não levam conta o quanto podem prejudicar o outro, aquele que por estar ao lado não percebe o quanto um amigo pode ser falso. O fim da história cai no lugar comum que todos esperam e nada acrescenta à qualidade do roteiro e montagem excepcionais. É um ótimo filme. JAIR, Floripa, 20/1110.

7 comentários:

Leonel disse...

Muito boa a sua análise. Pelo jeito, é um bom filme com um mau final, ou pelo menos, um final decepcionante, se eu entendi.
Mas, os latinos não gostam de finais felizes..
Thank you!

Entrevidas disse...

Bom fim de semana amigo, com um bom filme. Beijos

J. Carlos disse...

Carinha! Assisti esse filme, é muito bom. Mas, como você escreveu, o final é bem água-com-açúcar mesmo. Mas vale a pena ser assistido.

Camila Paulinelli - Centaurus Medical LLC disse...

Quero ver este filme. Parece bem interessante. Se o desenrolar do filme vale tanto a pena, o final dele perde sua importancia. Bjos da nora

Vieira Rocha disse...

Parabéns JJ!

Ainda não assisti esse filme, mas a sua analise esta bem encaminhada e estimula o leitor a vê-lo.
Abraço.
VRO.

Madame disse...

Muito prazer, visitei teu blog e gostei muito, podemos fazer parceria e trocar links, visite o meu wwwblogdamadame.com
Abraços
Madame

Sturtz disse...

Grande Jajá.
Li o seu explendoroso comentário. Não vi o filme, porém, fiquei com vontade de vê-lo só pela sua informação.
Abçs
STZ