sábado, 10 de novembro de 2012

Dinheiro



Acabo de ler “Família, afeto e finanças”, livro escrito por meu amigo Olegário e sua mulher Angélica. Trata-se de escorreita cartilha persuasiva e didática que nos esclarece sobre como nós e nossas famílias podemos nos relacionar com o dinheiro e seu poder.
Angélica, psicóloga renomada e esclarecida, nos conduz com maestria pelos tortuosos caminhos que a psique humana costuma trilhar para acolher ou rejeitar os benefícios, desafios ou bonificações que esse bem essencial, dinheiro, nos pode trazer.
Olegário, de formação técnica excelente como aviador, além de ser consultor financeiro, explicita através de gráficos e argumentos sólidos, pormenorizadamente, todos os meios que podemos utilizar para otimizar o dinheiro e as finanças para o futuro de nossa família.
A feliz combinação de psicologia aplicada e fundamentos econômicos é um caminho seguro para entendermos que dinheiro e seu uso podem trazer felicidade sim, ao contrário do que diz o adágio. Não importa quanto temos ou quanto podemos ter, a busca de um futuro feliz e com disponibilidade de caixa para realizar sonhos é possível e desejável.
Do livro depreende-se que dinheiro tem um aspecto dualista: é ferramenta e produto. Como ferramenta ou instrumento, pode semelhar-se a um martelo, por exemplo, podemos usá-lo para pregar coisas úteis, para construir, ou podemos dar uma martelada no dedo, o que não é agradável. Como produto ele tem preço, mercado, liquidez e lucro ou prejuízo. Podemos “vendê-lo” bem fazendo aplicações que dão lucro (juros), ou podemos “comprá-lo” a preços mais baixos.
Uma coisa que fica evidente é que famílias disfuncionais, tendo muito ou pouco dinheiro, sempre têm uma má relação com ele, e isso se reflete em todo “modus vivendi” que essas famílias assumem. Para haver harmonia entre membros da família e um possível futuro confortável é preciso que se desmistifique os preconceitos que rondam o dinheiro em toda sua história. Ele não é intrinsecamente bom ou ruim, o uso que dele fazemos é que trará resultados bons ou ruins, e pronto.
Recomendo a leitura de “Família, afeto e finanças” como o melhor livro sobre o tema disponível por aí. Boa leitura! JAIR, Floripa, 10/11/12. 

10 comentários:

Daniela disse...

Excelente texto sobre o livro, descreveu ele por completo! Adorei a analogia da ferramenta e produto! Realmente é um livro que aborda a real relação do dinheiro concreta e emocionalmente, e como isso interfere em nossas relações! Muito bom!

R. R. Barcellos disse...

Sim, o dinheiro pode ser um dos ingredientes da felicidade. Mas é uma receita muito delicada, exige mão leve e precisa - e mesmo assim a maionese geralmente desanda. Bom saber que há um livro de "chefs" competentes que ensina o seu preparo.

Abraços, amigo.

Tais Luso disse...

'Que o dinheiro não traz felicidade', é desculpa para frustrações. O que traz felicidade é saber lidar com ele e não ser seu escravo. Aí, entra a parte sã do indivíduo, uma mente sã. O que se vê é uma mídia massacrando a todos, empurrando de maneira igual todas suas novidades que mudam a cada ano. E nas datas comemorativas, nem se fala. Muitos se sentem obrigados a comprar o que não podem; comprar o carro que não podem; adquirir a casa que não podem e outras tantas coisas. Então o grande problema não está no dinheiro em si, e sim em nossas mentes inquietas e um pouco doentias. Está no equilíbrio, que é o maior dom para tentarmos alcançar um pouco de felicidade.

Abraços, amigo!

Rogério Olegário disse...

Caro Amigo Jair,

Muito obrigado por este belo comentário sobre o nosso livro. Ficamos (Angélica e eu) muito felizes com o mesmo, principalmente por ter partido de pessoa letrada como você.

Aproveito para perguntar: posso usar uns trechinhos do texto para ilustrar o site do livro?

Barcellos, obrigado pelo "chefs". Taís, você disse tudo: "equilíbrio"! Este é o segredo.

Abraços.

JAIRCLOPES disse...

Caro Olé,
Tudo que escrevo pode ser usado e abusado, principalmente por pessoas citadas nos textos. Fique a vontade para usá-los. Abraços, JAIR.

Cristiano Marcell disse...

Enciclopédico amigo,

como obtenho esse livro? Minha esposa certamente gostraia de lê-lo?

Leonel disse...

Bom ou mau, o dinheiro é um pólo em torno do qual parece girar o mundo atual!
Saber emprega-lo a nosso favor é uma habilidade que podeinfluenciar na nossa qualidade de vida.
A simples posse do dinheiro pode não "trazer felicidade", mas o seu emprego adequado ajuda...
Ótima dica, Jair!

Joel disse...

Preciso ler este livro pois sem querer ofender o pobre animal, sou um cavalo no trato com o vil metal.
Grande abraço,
Joel.

Attico CHASSOT disse...

Meu caro Jair, mais que me deixares antenado pelo livro, é preciso saudar um tímido, mas audacioso retorno de alguém que tem expertise como bloguista.
A isto um VIVA!

attico chassot
http://mestrechassot.blogspot.com

lailamorais disse...

É uma boa dica seu Jair!!